Volkswagen estuda comprar JAC para expandir produção de carros elétricos

A Volkswagen está estudando a compra de grande participação na chinesa JAC Motors. A fabricante já possui uma parceria em joint-venture com a JAC Motors para a produção de veículos elétricos na China. Segundo informações da agência “Reuters”, a montadora alemã adicionou a Goldman Sachs como consultora do plano.

O interesse da Volkswagen na aquisição das ações do Grupo Anhui Jianghuai (JAC Motors) é o primeiro movimento de grandes montadoras estrangeiras no mercado chinês. No ano passado, a China diminuiu as regras para companhias vindas de fora.

Em 2018, a BMW aprovou a compra do controle de sua principal joint-venture na China por um valor de 3,6 bilhões de euros (R$ 15,54 bilhões). Além disso, a Daimler, dona da Mercedes-Benz, planeja elevar a sua participação na parceira local.

De acordo com fontes ouvidas pela “Reuters”, a Volkswagen quer transferir parte da produção de carros elétricos para a China por meio da JAC. A empresa alemã vem ampliando a oferta de elétricos.

Abertura às marcas estrangeiras

As empresas estrangeiras eram proibidas de controlar qualquer montadora ou joint-venture chinesa. Porém, no ano passado, as restrições para companhias produzirem veículos híbridos foram removidas. Na última terça-feira (09), o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse que a China deixará de obrigar estrangeiras a compartilhar know-how com empresas locais.


Continua depois da publicidade


O planejamento da Volkswagen para a aquisição da participação na JAC  ainda está em estágio inicial. Segundo fontes consultadas pela “Reuters”, a montadora alemã tentará comprar ações dos principais acionistas da JAC. Por sua vez, essas são apoiadas principalmente pelo Estado, que detém 40% da fatia da companhia. O Grupo Anhui Jianghuai possui 24% da participação da empresa chinesa e é totalmente controlado pelo governo chinês.

Questionada pela reportagem da “Reuters”, a Volkswagen informou que “estamos observando cuidadosamente quais são as implicações para nossos negócios e para nossos parceiros de joint-venture. A esse respeito, exploraremos todas as opções possíveis junto com todas as partes interessadas para garantir o sucesso de longo prazo na China“

Tópicos:
                 



Comentários