Freios: Como acelerar a ciência da desaceleração

Quanto mais possante a máquina, melhores devem ser os freios para conseguir trazê-la de volta em segurança para a garagem.

Freios autolubrificantes

Amantes do automobilismo gostam de falar em potência e velocidade, mas poucos se lembram de render homenagens aos freios - quanto mais possante a máquina, melhores devem ser os freios para conseguir trazê-la de volta em segurança para a garagem.

Imagine então a importância do aparato necessário para parar um trem ou um avião - as pastilhas de freio devem gerar o atrito necessário para parar o veículo e ainda conseguirem lidar com o calor gerado sem perder eficiência.

Por sorte, a tecnologia dos freios também não pára de evoluir.

Misturando fibras de carbono a um material tradicionalmente usado na fabricação de pastilhas de freios, Farhad Ahmadijokani e colegas do Canadá e do Irã desenvolveram agora um material que permite a fabricação de freios autolubrificantes.

O mecanismo de autolubrificação não significa que os freios vão escorregar, mas que eles obtêm um equilíbrio entre o atrito necessário para parar o veículo e a perda de eficiência do freio em decorrência de seu superaquecimento.

Ciência da desaceleração


Continua depois da publicidade


Os materiais usados para fabricar de pastilhas de freio estão normalmente disponíveis em três categorias: metálicos, cerâmicos e orgânicos. Todos têm benefícios e pontos fracos, envolvendo custo, durabilidade, ruído, tempo de resposta ou temperatura durante o uso.

"Esta nova pesquisa analisa coisas como quebra do compósito durante testes de altas temperaturas, durabilidade, fricção e desgaste," disse o professor Mohammad Arjmand, coordenador da equipe. "Nossos resultados mostram que os novos freios de polímero e fibra de carbono recém-projetados representam uma aceleração na ciência da desaceleração e podem ser um benefício real para a indústria e para os consumidores."

Os novos freios melhorados podem prevenir o desgaste e apresentam melhores propriedades de fricção do que os freios atualmente disponíveis no mercado, sem superaquecer.

"À medida que continuamos a desenvolver nanomateriais e os misturamos com polímeros para desenvolver coquetéis compostos multifuncionais que podem lidar com questões como fricção, desgaste e distribuição de calor em nível molecular, continuaremos a ajudar a indústria a evoluir," finalizou Arjmand.




Comentários