Mineração espacial pode começar nas crateras da Lua

Uma única cratera pode conter 20 toneladas de ferro puro, 3,6 toneladas de níquel, 180 kg de cobalto e 1 kg de platina.

Mineração na Lua

Crateras surgem na Lua - como em qualquer outro corpo celeste - por causa do bombardeio de corpos celestes menores que caem lá, principalmente asteroides.

Vladislav Shevchenko (Universidade Estadual de Moscou) e Aleksey Andreev (Universidade Federal de Kazan) demonstraram agora que as crateras da Lua, mesmo as antigas, podem conter tanto os compostos do próprio solo onde se formou a cratera, como os elementos químicos do corpo que a formou.

"Se uma cratera de 500 metros foi criada por um asteroide metálico e ainda contém 20% da matéria do asteroide, esses restos podem conter 20 toneladas de ferro puro, 3,6 toneladas de níquel, 180 kg de cobalto e 1 kg de platina," exemplificou Andreev.

No entanto, não há correlação direta entre a composição de um asteroide e o acúmulo de seu material porque é necessário também levar em conta o ângulo e a velocidade da colisão do objeto com a Lua. E isso é bom, porque 25% desses objetos são "lentos", com uma velocidade de colisão inferior a 12 quilômetros por segundo. Sob essas condições, a cratera pode preservar até 50% da matéria do asteroide.

"Em 1994, foi feito um levantamento em um asteroide chamado 1986 DA, de 2 quilômetros de diâmetro. Observações espectrais mostraram que o corpo contém reservas consideráveis de ferro, níquel, cobalto e platina, totalizando cerca de 30 bilhões de toneladas. Em 2012, isso valeria US$ 87 trilhões," citou Andreev.

Mineração espacial

Não é à toa que os asteroides estão virando alvo para a prospecção e, futuramente, para a mineração espacial.

A NASA planeja capturar e redirecionar um pequeno asteroide para a órbita lunar, onde ele poderá ser minerado, com os metais sendo trazidos para a Terra ou levados para a Lua, onde poderiam ser usados para construir estações espaciais ou componentes de espaçonaves.


Continua depois da publicidade


Contudo, como já temos uma larga experiência de mineração no solo, pode ser mais fácil fazer a mineração espacial na Lua do que em asteroides, acreditam os dois pesquisadores.

"De acordo com uma previsão da Goldman Sachs, haveria [na Terra] 20 anos de reservas de ouro, zinco e diamantes e 40 anos de reservas de platina, cobre e níquel em 2015. Todos esses elementos são indiscutivelmente importantes para o desenvolvimento tecnológico. É por isso que existe a necessidade de fontes alternativas," defendeu Nefedyev.




Comentários