Faturamento de setor de máquinas e equipamentos cresceu 5,2%, diz Abimaq

Faturamento do setor de máquinas e equipamentos aumentou em relação ao mesmo período do ano passado

O faturamento do setor de máquinas e equipamentos cresceu 5,2% em relação ao mesmo período do ano passado. A informação é da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), que divulgou os indicadores econômicos do setor. O melhor desempenho observado na análise interanual se deve ao mercado doméstico que ampliou seus investimentos em 19,1% em relação ao mesmo período de 2018, nas exportações houve queda significativa.

Já o desempenho das vendas de máquinas e equipamentos no mês de janeiro de 2019 manteve o comportamento sazonal do setor e recuou para R$ 5,3 bilhões, queda de 12,3% em relação ao mês imediatamente anterior. Este ritmo mais fraco nas vendas do setor, principalmente no mercado externo, reforça as expectativas da Abimaq, de que a taxa de crescimento, este ano, deverá ficar relativamente abaixo da observada em 2018.

Segundo o presidente executivo da Abimaq, José Velloso, os indicadores negativos não assustam. “Muitos setores estão esperando a Reforma da Previdência ser votada, no entanto, com reforma ou sem reforma uma coisa é certa, que virá investimentos do Brasil e a demanda vai aumentar bastante e por isso um certo otimismo do nosso setor”, explica Velloso.


Continua depois da publicidade


Importações do setor de máquinas

Quanto às importações, o comportamento registrado é similar ao fraco desempenho de 2018. Apesar do crescimento de 17,6% em relação ao mês de dezembro, sob o mês de janeiro de 2018 ainda não houve recuperação. Quem contribui mais intensamente para este fraco desempenho são os setores de logística e construção civil, que já chegou a responder por quase 20% do volume das importações de máquinas e hoje pouco ultrapassa os 10%.

Em contrapartida tem-se como destaque o segmento de componentes para indústria de bens de capital, que obteve crescimento de 19,3%. Essa participação representa 31,3% do total importado, sendo que máquinas e implementos agrícolas cresceram 38,6%.

Em relação às origens das importações, tem-se a China em primeiro lugar, tanto em valor, como em volume As máquinas de origem chinesa deixaram para trás a Alemanha, em 2012, e os EUA, em 2017, tradicionalmente segundo e primeiro países de origem das importações

Em contrapartida tem-se como destaque o segmento de componentes para indústria de bens de capital, que obteve crescimento de 19,3%. Essa participação representa 31,3% do total importado, sendo que máquinas e implementos agrícolas cresceram 38,6%.

O consumo aparente da indústria, indicador que exclui as exportações do faturamento e inclui as importações somou R$ 7,86 bilhões, um avanço de 10,5% em comparação com janeiro de 2018 e encerrou com crescimento de 2,3% em relação ao mês de dezembro.

Quanto ao número de pessoas ocupadas do setor, após o período de forte recessão, o setor passou a contar com 291 mil pessoas em 2017. A partir de 2018, o setor iniciou a retomada do emprego, fechando o ano com 300 mil postos de trabalho. Para 2019, a expectativa é de crescimento, mesmo que lento e gradual ao longo do ano.




Comentários