Inovação avalia qualidade asséptica e anticorrosiva na indústria

Parceria da Unesp Araraquara com setor produtivo teve apoio do programa PIPE, da Fapesp

Uma parceria entre Unesp e o setor produtivo viabilizou o desenvolvimento de um instrumento de inspeção portátil para realização de testes voltados ao estudo da passivação do aço inoxidável, permitindo a análise da qualidade asséptica ou de resistência à corrosão de equipamentos e tubulações diretamente na planta industrial. O projeto recebeu apoio do programa PIPE, da Fapesp.

A passivação do aço inoxidável remete à formação de uma camada protetora gerada a partir da reação química entre componentes do inox e o meio ambiente. É esta camada a responsável pela assepsia e resistência à corrosão do aço inox que conhecemos.

Denominado PassivityScan, o projeto foi liderado pelo professor Cecilio Sadao Fugivara e pelo pesquisador Assis Vicente Benedetti, ambos vinculados ao Instituto de Química da Unesp de Araraquara, em parceria com o engenheiro Luis Henrique Guilherme, diretor-técnico da Soudap, empresa parceira na iniciativa.

A inovação tornou a Soudap a primeira empresa brasileira de consultoria e inspeção especializada em aplicações assépticas ou corrosivas capaz de avaliar e qualificar uma instalação industrial utilizando técnicas eletroquímicas. Entre dezembro de 2017 e agosto de 2018, o projeto teve apoio do programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da Fapesp, que incentiva a execução de pesquisa científica ou tecnológica em micro, pequenas e médias empresas no estado de São Paulo.

Aplicação

A tecnologia pode ser aplicada em diversos setores da indústria, como farmacêutica, alimentícia, química e petroquímica, uma vez que esses setores precisam operar sob rigorosos critérios de qualidade asséptica e de resistência à corrosão. Guilherme explica que as normas da indústria atribuem exigências quase exclusivas sobre propriedades mecânicas dos materiais usados por esses setores, negligenciando variáveis que podem reduzir a qualidade asséptica ou de resistência à corrosão dos equipamentos durante sua construção.


Continua depois da publicidade


“Uma soldagem pode ser realizada por procedimento qualificado, mas não atender aos critérios metalúrgicos para um bom desempenho em um meio corrosivo”, exemplifica o engenheiro e diretor-técnico da empresa parceira da Unesp. “Isso se deve principalmente pela falta de instrumentos capazes de avaliar a qualidade do filme passivo formado na superfície do aço, como ocorre nos aços inoxidáveis”.

O instrumento de inspeção portátil desenvolvido pela equipe de pesquisadores e empresários, denominado PassivityScan, atua justamente nessa lacuna ao otimizar os parâmetros dos processos construtivos, como soldagem e polimento, no intuito de se obter a máxima qualidade de passivação do aço. Dessa forma, a aplicação do PassivityScan está relacionada ao controle de qualidade na fase de construção do equipamento e também na qualificação do equipamento para meio asséptico ou corrosivo.

“Como o instrumento é portátil, os equipamentos e tubulações industriais podem ter sua qualidade asséptica ou de resistência à corrosão avaliada diretamente na planta industrial”, explica Guilherme.

Um artigo sobre o trabalho foi publicado na edição de dezembro do periódico Corrosion (NACE): https://doi.org/10.5006/3004.




Comentários