Desabastecimento de combustíveis reforça a importância da boa gestão

A recente greve dos caminhoneiros teve impacto sobre inúmeros setores da economia brasileira (alimentício, farmacêutico, varejo) e principalmente no setor de combustíveis. Corrida aos postos, estoques vazios e filas que lembravam os tempos da hiperinflação — um cenário que mudou a rotina de muitos brasileiros e teve impacto imediato no segmento. Só para se ter uma ideia, dados da Linx apontam que a emissão de notas fiscais eletrônicas por postos de combustível caiu 49% no último fim de semana de maio, se comparado ao fim de semana anterior.

Esta foi uma situação imprevisível, mas que certamente poderia ser mitigada com uma gestão integrada e eficiente. Afinal, mesmo na crise, ter controle total sobre o negócio permite limitar o abastecimento por carro a fim de evitar que os clientes fiéis fiquem sem combustível, preparar a equipe para o atendimento diferenciado, alertar os clientes no caso de desabastecimento ou mesmo avisá-los assim que o combustível estivesse disponível.

Num contexto mais positivo, a gestão eficiente é capaz de fazer ainda mais diferença, permitindo adequar o abastecimento de forma programada a picos de demanda, como feriados, fins de semana, dias de jogos ou de grandes eventos na região. E esse controle rigoroso e proativo de estoque pode ter os resultados multiplicados se for expandido para além da pista.


Continua depois da publicidade


Imagine o cliente que vai a uma loja de conveniência no dia de um jogo do Brasil e a encontra especialmente abastecida e com diversas promoções de bebidas e snacks? Será que ele teria uma boa experiência? Será que ele compraria mais?

Entender profundamente a demanda e o estoque da loja de conveniência, da troca de óleo, do restaurante, da borracharia e até da lavagem de carros pode fazer a diferença tanto na rentabilidade do posto quanto na satisfação dos clientes.

E os softwares de gestão são grandes aliados nessa hora. Isso porque, além de agilizarem a administração básica e o controle, permitem que o gestor conheça a rentabilidade de cada unidade de negócio do seu posto, entenda as curvas de demanda e saiba exatamente quando deve mudar, ampliar ou reduzir o seu estoque.

Segundo a Associação Nacional das Distribuidores de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência (Plural), só o setor de lojas de conveniência faturou R$ 7,4 bilhões em 2017 e deverá crescer mais 4% em 2018. É um mar de oportunidades que se abre para os gestores que souberem navegar no sentido correto.




Comentários