Produção cresce em 13 dos 26 ramos investigados


Continua depois da publicidade


A produção industrial cresceu em 13 dos 26 ramos pesquisados na passagem de março para abril, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As principais influências positivas foram de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (5,2%) e de veículos automotores, reboques e carrocerias (4,7%).
O segmento de derivados de petróleo intensificou o crescimento de 0,8% verificado no mês anterior.

Segundo André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, o processamento da safra de cana para a produção de etanol impulsionou o setor de derivados de petróleo e biocombustíveis em abril.

Entre os onze ramos que reduziram a produção em abril ante março, os desempenhos mais relevantes foram de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-7,3%), máquinas e equipamentos (-3,1%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-4,0%) e produtos de borracha e de material plástico (-2,0%).

Veículos

A produção de veículos automotores subiu 40,6% em abril em relação a abril do ano passado. Houve crescimento na produção e automóveis e caminhões.


Continua depois da publicidade


A atividade deu a principal contribuição positiva para o avanço de 8,9% registrado pela indústria brasileira no período, junto com o segmento de produtos alimentícios, que teve expansão de 12,0% impulsionada pela fabricação de açúcar, derivados de soja e carnes de bovinos.

Outras contribuições positivas relevantes sobre o total nacional em abril em relação a abril do ano anterior foram de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (32,8%), de máquinas e equipamentos (9,6%), de metalurgia (7,4%), de bebidas (11,6%), de produtos de borracha e de material plástico (8,6%), de produtos de metal (9,5%), de celulose, papel e produtos de papel (5,2%), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (7,9%), de confecção de artigos do vestuário e acessórios (8,6%), de outros equipamentos de transporte (15,0%), de produtos de madeira (12,5%), de móveis (13,5%), de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (5,6%), de outros produtos químicos (2,6%), de produtos de minerais não-metálicos (3,7%) e de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (7,2%).

Na comparação com o mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal, a produção de veículos automotores cresceu 4,7% em abril. A maior fabricação de automóveis puxou a alta de 2,8% em bens de consumo duráveis no período, junto com as motocicletas. Já os caminhões ajudaram no avanço de 1,4% registrado pelos bens de capital em abril ante março.




Comentários