Indústria no RS volta a crescer

Aumento das compras e da utilização da capacidade instalada contribuíram para alta de 0,6% em fevereiro em relação a janeiro, aponta pesquisa da Fiergs

Após queda de 1,7% registrada em janeiro, o Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) nesta quinta-feira (5), voltou a subir em fevereiro, na comparação com o mês anterior: 0,6%. As maiores influências no aumento vieram das compras industriais e da Utilização da Capacidade Instalada (UCI), que cresceram, respectivamente, 2,1% e 1,5 ponto percentual, descontada a sazonalidade. Em contrapartida, voltaram a cair o faturamento real (-0,6%) e as horas trabalhadas na produção (-3,1%). A massa salarial real ficou estável. 

Segundo o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry, a indústria gaúcha continua com sua fase cíclica de recuperação, que começou no ano passado. 

_ O ritmo é bastante lento e acompanha a retomada da demanda doméstica, que começa a se beneficiar dos juros e inflação em declínio e da melhora do mercado de trabalho. O aumento das exportações tem sido outro elemento importante, o mercado externo se mostra como alternativa para manter as operações, mesmo que com rentabilidade abaixo da esperada _ afirma Petry, ao ressaltar que a expectativa é de que essa tendência continue nos próximos meses, facilitada pela normalização de estoques.


Continua depois da publicidade


Quando é feita a comparação do mês com igual período do ano anterior, em fevereiro houve a oitava expansão consecutiva do IDI-RS: 3,3%. Considerados os dois primeiros meses de 2018, o índice subiu 4,3% em relação ao primeiro bimestre de 2017. 

Com exceção da massa salarial real (-1,2%), todos os seus componentes avançaram. O faturamento real (11,3%) e as compras industriais (9,9%) apresentaram as taxas mais expressivas, enquanto as horas trabalhadas na produção (1,1%), UCI (2,9 ponto percentual) e o emprego (0,5%) mostraram crescimento mais moderado. 

Com o nível de atividade 22,7% maior no primeiro bimestre sobre o mesmo período de 2017, o setor de veículos automotores foi a principal influência positiva sobre o resultado geral do IDI-RS. Outros 12 setores dos 17 pesquisados também aumentaram a atividade no período, com destaque para tabaco (27,1%), equipamentos de informática e eletrônicos (25%) e produtos de metal (5,3%). Por outro lado, a atividade caiu nas indústrias de máquinas e equipamentos (-0,8%), de máquinas e material elétrico (-3,6%) e de móveis (-0,3%). 

Tópicos:



Comentários