Produção industrial cresce em 12 dos 15 locais pesquisados em 2017, diz IBGE

O resultado do ano passado, em termos de abrangência do avanço nas regiões, é o melhor desde 2010.


Continua depois da publicidade


Doze dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registraram alta na produção industrial em 2017, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado do ano passado, em termos de abrangência do avanço nas regiões, é o melhor desde 2010, quando todos os 14 locais pesquisados (Mato Grosso foi incluído somente em 2013) tiveram alta. Naquele ano, a produção industrial registrou crescimento de 10,2%.

Em 2016, 14 locais ficaram no negativo e somente um registrou aumento na atividade, com queda de 6,4% no índice nacional.

Os 12 locais com alta em 2017 foram:

  • Pará (10,1%)
  • Santa Catarina (4,5%)
  • Paraná (4,4%)
  • Rio de Janeiro (4,2%)
  • Mato Grosso (3,9%)
  • Amazonas (3,7%)
  • Goiás (3,7%)
  • São Paulo (3,4%)
  • Ceará (2,2%)
  • Espírito Santo (1,7%)
  • Minas Gerais (1,5%)
  • Rio Grande do Sul (0,1%)


Os três locais com queda foram:

  • Bahia (-1,7%)
  • Região Nordeste (-0,5%)
  • Pernambuco (-0,9%)
Gráfico do IBGE com o desempenho industrial das regiões pesquisadas (Foto: Reprodução/IBGE)
Gráfico do IBGE com o desempenho industrial das regiões pesquisadas
(Foto: Reprodução/IBGE)

Considerando o conjunto do país, a indústria brasileira fechou 2017 em alta de 2,5% - melhor resultado desde 2010, quando a produção industrial havia avançado 10,2%. Em dezembro, o setor registrou alta de 2,8% em relação a novembro - a maior desde junho de 2013, quando chegou a 3,5%.

Gráfico do G1 com informações do IBGE

No conjunto do país, o resultado foi puxado pelo segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias, que cresceu 17,2%. No setor automotivo, a expansão foi puxada pela exportação recorde de 762 mil veículos e por aquisições de empresas e taxistas no mercado interno.


Continua depois da publicidade


Segundo o gerente da pesquisa, André Macedo, um dos motivos do resultado positivo na maioria das regiões também foi o aumento na fabricação de veículos automotivos. “Essa atividade cresceu em todos os locais em que é investigada. É o principal destaque do Brasil no ano e também regionalmente”, disse.

Comparação mensal e interanual
Na comparação de novembro com dezembro, 8 dos 14 locais pesquisados tiveram taxas positivas no período, na série com ajuste sazonal.

Os maiores avanços aconteceram no Rio Grande do Sul (6,8%) e no Amazonas (6,2%). Ceará (4,9%), São Paulo (3%), Santa Catarina (1,6%), Paraná (1,6%), Rio de Janeiro (1,0%) e Minas Gerais (0,2%) completaram o conjunto de locais com índices positivos.

Por outro lado, Goiás (-2,7%) teve a maior queda no mês. As demais taxas negativas foram de Pará (-1,8%), Pernambuco (-1,8%), Espírito Santo (-1,7%), Bahia (-1,5%) e região Nordeste (-0,2%).

Na comparação com dezembro de 2016, as taxas positivas foram registradas em 8 dos 15 locais pesquisados, com destaque para Amazonas (10,9%) e São Paulo (10,1%).

Rio de Janeiro (7,2%), Pará (6,1%) e Mato Grosso (5,8%) também cresceram mais que a média nacional (4,3%), enquanto Goiás (4,0%), Santa Catarina (3,9%) e Rio Grande do Sul (0,3%) completaram o conjunto de locais com alta no mês.

Por outro lado, Espírito Santo (-5,1%) teve a maior queda. Os demais resultados negativos aconteceram em Pernambuco (-2,5%), região Nordeste (-2,3%), Bahia (-1,8%), Minas Gerais (-1,5%), Paraná (-0,5%) e Ceará (-0,1%).

Tópicos:



Comentários ()