Grupo pesquisa navio a hidrogênio

Novo projeto de navio inglês mediria metade do tamanho e teria o dobro de velocidade nas viagens

Fonte e foto Inovação Tecnológica - 01/03/07

Um grupo de engenheiros ingleses, que acredita ter encontrado a solução para as demoradas viagens dos navios cargueiros, quer criar uma alternativa para as empresas que precisam enviar seus produtos para o outro lado do mundo de uma forma muito mais rápida.

A idéia dos engenheiros Ivo Veldhuis e Howard Stone, da Universidade de Southampton, é reduzir o tamanho desses navios de contâineres para apenas 175 metros (os atuais medem 335 metros de comprimento), construindo-os com uma capacidade para 600 contâineres (o atual carrega 8.500).

A vantagem é que esses navios poderiam cruzar os mares à incrível velocidade de 120 km/h (65 nós). A quantidade de viagens feitas entre os congestionados portos do mundo inteiro poderia ser mais do que duplicada, sem contar com sua característica de "entrega expressa", feita em um tempo hoje inalcancável por via marítima, e sem os elevados custos do transporte aéreo.

Turbinas a hidrogênio

O Hydrogen Oceanjet 600, como foi batizado o novo navio, ainda está em fase de projeto. O combustível será exclusivamente o hidrogênio líquido e terá quatro  gigantescas turbinas como propulsores, iguais às utilizadas nos Boeing 747.

Cada uma dessas turbinas tem uma capacidade de 49,2 megawatts de potência quando alimentadas por hidrogênio. Para transformar essa potência de propulsão em impulso para a frente, o Oceanjet 600 não utilizará hélices, mas jatos de água, que possuem uma maior eficiência em altas velocidades.

A força das turbinas é tão grande que elas permitirão a construção de quadro jatos de água, cada um com 2,5 metros de diâmetro. O sistema de jatos faz com que a água gire em seu interior, permitindo um elevado nível de controle na direção do navio.

Para evitar a resistência das ondas, o Oceanjet foi projetado como um catamarã, com cascos finos conhecidos como semi-SWATH ("Small Water plane Area Twin Hull").



Comentários