Stratasys destaca diferenciais da Manufatura Aditiva para o setor de saúde durante Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

A empresa apresenta as diferentes aplicações viabilizadas por suas soluções de impressão de 3D para as empresas do setor de saúde no evento promovido pela ABIMO

A Stratasys, empresa de soluções de impressão 3D e manufatura aditiva, participa, em parceria com a TechCD, distribuidora autorizada de suas soluções, do Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para a Saúde (CIMES 2017), que ocorre nos dias 17 e 18 de agosto, no Hotel Maksoud, em São Paulo (SP). O objetivo é destacar os diferenciais e a variadas aplicações de manufatura aditiva, que podem ser desenvolvidas por meio das soluções da Stratasys, baseadas nas tecnologias FDM e PolyJet, para empresas dos diversos segmentos do setor de saúde.

No evento promovido pela ABIMO (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios), a empresa mostrará a razão da impressão 3D ou manufatura aditiva ser a tecnologia ideal para a inovação e educação no setor de saúde. Isto porque apoia desde os estudos acadêmicos até os planejamentos cirúrgicos, com biomodelos de diferentes cores e texturas, bem como garante à indústria agilidade em novos projetos de produtos inovadores, gabaritos e dispositivos usados em cirurgias complexas de diferentes especialidades.

“O uso da manufatura aditiva tem como principais benefícios para o mercado de saúde a possibilidade de produção de biomodelos, assépticos e literalmente personalizados, de protótipos a custos de desenvolvimento bem reduzidos, o que torna mais rápido o lançamento de produtos ao mercado”, explica Anderson Soares, diretor geral da Stratasys do Brasil. Segundo ele, hoje a impressão 3D também é muito utilizada para a produção de pequenos volumes de dispositivos, ferramentas e gabaritos médicos e odontológicos, com geometrias complexas e customizadas, altamente precisos e resistentes.

Outro diferencial da impressão 3D ou manufatura aditiva para as indústrias da área de saúde é a eliminação de inventário físico, que também afeta os resultados finais. A impressão 3D de ferramentas e peças diretamente a partir de arquivos digitais, por exemplo, reduz o desperdício e os custos com manutenção de estoque e armazenagem. Além disso, é possível responder com agilidade a picos de demanda, mudanças de projeto ou necessidade de substituição de peças ou ferramentas danificadas.


Continua depois da publicidade


Para Arnaldo Berger, CEO da TechCD, as restrições dos processos tradicionais de fabricação deixam sua marca nos produtos finais e ideias inovadoras são descartadas, quando não são comprovadas rapidamente ou viÂncoraáveis economicamente. Afinal, quando mudanças no projeto de desenvolvimento de um produto forçam alterações imediatas de engenharia, geralmente há muito pouco tempo para avaliar todas as soluções possíveis, o que pode resultar em mudanças mais incidentais do que inovadoras.

“O investimento em novas soluções de manufatura aditiva é fundamental, pois é impossível falar de evolução nos tratamentos médicos, sem o respaldo da alta tecnologia. Investir em novas aplicações e em tecnologia 3D na área médica é investir em saúde”, afirma Berger.

Serviço

Evento: Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde (CIMES 2017)
Período: 17 a 18 de agosto
Horário: 8h às 18h
Local: Hotel Macksoud Plaza
Endereço: Rua São Carlos do Pinhal, 424, São Paulo - SP




Comentários