Empresas alemã e chinesa investem 300 milhões de dólares no Sertão e vão gerar mais de mil empregos

O inicio da montagem da usina está previsto para acontecer em novembro de 2017 com inauguração prevista para segundo semestre de 2018.

Está sendo implantada uma das maiores jazidas de ferro do Brasil, na cidade de Pedra Branca, Sertão da Paraíba. A informação foi confirmada pelo proprietário da terra, onde será explorado o minério, o empresário Antônio Leite.

Segundo ele, todos os equipamentos para a implantação da jazida, já estão no Brasil e chegarão pelo Porto de Cabedelo, de onde uma força tarefa será feita para transportar todo o material para Pedra Branca.

O projeto é um investimento da empresa Rogesa Group (Alemanha) e Promac S/A (chinesa), donas da concessão, que terá o tempo de exploração por 15 anos, concedidos pela União, gerando 1.100 empregos diretos, com investimento de USS$ 300.000.000,00 (trezentos milhões de dólares), nos equipamentos considerados os mais modernos do mundo.

“Tivemos que manter total sigilo durante todo esse início, atendendo as recomendações das empresas investidoras, porém a ansiedade era muito grande em poder dar essa notícia. Sem dúvida, o Sertão da Paraíba, bem como o Vale do Piancó viverá outra realidade a partir de agora”, comentou Antônio Leite


Continua depois da publicidade


De acordo com Antônio Leite, o teor/qualidade do minério de ferro máximo na natureza é 69% de pureza, o que significa, um dos mais puros já encontrados no Brasil.

O inicio da montagem da usina está previsto para acontecer em novembro de 2017 com inauguração prevista para segundo semestre de 2018.

O destino de venda do minério será para China e Alemanha com logística naveleira partindo do porto de SUAPE e Cabedelo.

A produção mensal da máquina é estipulada em 750 MI/Tonelada de ferro Guza, com um faturamento mensal bruto estimado USS$ 75 milhões/mês.

Todo o processo de estudo foi mantido em total sigilo. Estrangeiros estiveram durante meses nas cidades de Pedra Branca e Itaporanga realizando os procedimentos, e por diversas vezes vieram ao Vale do Piancó em Jatos de ultima geração, porém, sem chamar atenção. Toda a estrutura já está pronta para receber os equipamentos de extração.




Comentários ()