Dólar recua e já testa R$ 3,13 com expectativa de fluxo positivo

Na véspera, moeda norte-americana terminou o dia em queda de 0,19%, vendida a R$ 3,1493.

O dólar recuava nesta quinta-feira (20), movimento que tem predominado nas últimas sessões, e já testava o patamar de R$ 3,13, próximo do nível em que estava antes da crise política, no começo de maio. A moeda operava em sintonia com o cenário externo e favorecida por perspectivas de ingresso de recursos no Brasil, segundo a Reuters.

Às 13h50, o dólar recuava 0,43%, a R$ 3,1355 na venda, depois de bater R$ 3,1318 na mínima do dia, de acordo com a Reuters.

"Sem noticiário político, o mercado está especulativo e ir a R$ 3,10 não é difícil", afirmou à Reuters o diretor da mesa de câmbio da corretora MultiMoney, Durval Correa.

Julho tem sido marcado por volume mais enxuto de negócios, em razão das férias no Hemisfério Norte, o que faz com que menor número de operações ditem o rumo do mercado. O menor fluxo, esperam os investores, deve ser marcado por entrada de recursos externos após diversas aberturas de capital de empresas brasileiras no período, que contribuíam para o recuo do dólar ante o real.

Nesta semana, a abertura de capital do Carrefour movimentou R$ 5,1 bilhões e, no dia seguinte, acontece a oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da Biotoscana. Ainda estão na lista a empresa de tecnologia Tivit Terceirização de Processos, a operadora de planos de saúde Notre Dame, a resseguradora IRB Brasil e a geradora de energia Ômega.
Além disso, na véspera, a empresa de serviços de logística JSL lançou captação de US$ 325 milhões em bônus com vencimento em sete anos.

"Há ainda o investidor que vem aproveitar a Selic, que ainda é bastante elevada", acrescentou Correa ao lembrar que a taxa básica de juros está em 10,25% ao ano. As apostas majoritárias são de que o Banco Central a corte em 1 ponto percentual na próxima semana.

O noticiário político mais calmo, com o recesso parlamentar, também favorecia a tranquilidade no mercado cambial.
O dólar cedia ante uma cesta de moedas e também divisas de países emergentes como os pesos chileno e mexicano.
O euro caminhava para a máxima em 14 meses contra o dólar após o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, dizer que os membros da instituição poderiam discutir as mudanças no plano de compra de bônus no outono.


Continua depois da publicidade


Como esperado, tanto o BCE quanto o Banco do Japão mantiveram suas políticas monetárias.

O Banco Central brasileiro vendeu integralmente a oferta de até 8,3 mil swaps cambiais tradicionais - equivalentes à venda futura de dólares-- para rolagem dos contratos que vencem em agosto. Com isso, já rolou US$ 3,735 bilhões do total de US$ 6,181 bilhões que vence no mês que vem.

Na véspera, o dólar caiu a R$ 3,1493, acumulando perda de quase 5% em julho.

Tópicos:



Comentários