Siemens lança plataforma MindSphere no Brasil para conectar infraestruturas físicas ao mundo digital

Ecossistema aberto possibilita monitoramento de ativos independentemente do fabricante ou do desenvolvedor do aplicativo.

A Siemens oficializou ontem durante o evento “Fazendo o Brasil avançar com engenhosidade” o lançamento de sua plataforma MindSphere no Brasil, um sistema operacional aberto para Internet das Coisas (IoT) baseado em nuvem que permite conectar máquinas e infraestruturas físicas ao mundo digital. “Com o MindSphere, a Siemens está fornecendo um sistema operacional aberto, baseado em nuvem, para a IoT. Nessa plataforma como um serviço (PaaS), aplicativos e serviços digitais podem ser desenvolvidos, operados e fornecidos”, afirma Renato Buselli, vice presidente sênior da Divisão Digital Factory da Siemens.

No contexto de IoT um número cada vez maior de ativos de uma instalação fabril ou empresa estarão conectados e gerando um volume expressivo de dados. Estes dados podem ser rápida e eficientemente coletados, analisados e efetivamente usados para melhorar a disponibilidade e a performance de sistemas, a otimização da operação e do uso de recursos e da infraestrutura, com impactos positivos para o negócio.

Segundo Buselli, o MindSphere possibilita a identificação precoce de problemas potenciais em plantas fabris e instalações, monitoramento de serviços em qualquer lugar do mundo, reduzindo paralisações (downtime) pela otimização de programas de manutenção preditiva e viabilizando novos modelos de negócio. Fabricantes de máquinas, por exemplo, podem utilizar-se da plataforma para monitorar sua própria frota de máquinas ou mesmo oferecer como serviço ao seu cliente final.

Buselli ainda enfatiza que, ao gerenciar toda a cadeia de valor de dados de forma inteligente, o MindSphere transforma dados em conhecimento e este conhecimento aplicado em negócios bem sucedidos. “A Siemens acredita que o MindSphere contribuirá significativamente para acelerar as indústrias brasileiras na obtenção de níveis mais elevados de competitividade ”, afirma.

Tópicos:



Comentários