Gühring aposta no segmento MRO e gerenciamento de ferramentas no Brasil

A Gühring, especialista em ferramentas de usinagem, se arrisca em novos segmentos para ganhar mercado. O gerenciamento de serviços e o lançamentos de ferramentas voltadas para o segmento MRO (manutenção, reparo e operação) são as apostas da empresa alemã no Brasil. Na primeira quinzena de maio, a empresa lançou na Expomafe sua nova linha de produtos PowerLine, voltada para o segmento MRO. A linha é composta de brocas, fresas, machos, alargadores e escareadores em Aço Rápido (HSS) e em Metal Duro (Solid Carbide).

“Nossos produtos são feitos com aço alemão, o que garante melhor qualidade, uma vida mais longa para o produto e produtividade. Nossas ferramentas já são reconhecidas pela alta qualidade e robustez no mercado corporativo. Vamos transferir esse reconhecimento que temos de ferramentas robusta, confiável e high-tech para o segmento MRO”, explica o diretor-geral da Gühring do Brasil, Jorge Jerônimo.

O reconhecimento da marca na produção de ferramentas e um know-how construído em mais de um século traz segurança para a empresa entrar no concorrido segmento, entretanto, Jerônimo reconhece que isso não é suficiente. “Será necessário também inovar para superar os paradigmas que pesam sobre o negócio, já que estamos falando de um setor que opera há décadas com o mesmo modelo comercial”, pondera.

O executivo conta que o portfólio de produtos foi desenvolvido inicialmente para o Brasil, há dois anos, mas a matriz optou por estender a comercialização da linha na Rússia, México e China.

Gerenciamento de ferramentas

Embora aposte há cinco anos no serviço de gerenciamento de ferramentas no Brasil, a Gühring tem dado uma atenção especial ao segmento por aqui, especialmente depois que a indústria local passou a sofrer com a recessão. A redução de custos no processo de usinagem é uma das responsáveis pela procura de serviço de gerenciamento. 


Continua depois da publicidade


“Este fenômeno se dá em razão da busca constante da indústria por maior competividade, especialmente em momentos de crise.  O Brasil tem uma infraestrutura deficiente e uma elevada carga tributária, prover um pacote de serviços robusto, que possa verdadeiramente impactar no custo por peça é essencial para a competividade e permanência nos negócios”, diz Jerônimo. O gerenciamento de ferramentas, que garante um controle maior das ferramentas utilizadas no chão de fábrica, é um dos grandes negócios da empresa no exterior. A empresa atende 65 clientes internacionais, sendo seis no Brasil – duas montadoras e quatro empresas do setor de autopeças.

“Empresas do setor automotivo são as que mais nos procuram, já que a pressão de custos sobre a cadeia de valor é imensa”, diz o executivo.  Os ganhos com o serviço dependem dos aspectos organizacionais de cada empresa. Entretanto, projetos que estão em pleno funcionamento no Brasil, considerando apenas os valores que a Gühring tem acesso, a economia tem sido superior a 20%, segundo a empresa.

“O gerenciamento de ferramentas é um serviço extremamente complexo. No passado, não tínhamos no Brasil uma estrutura operacional adequada para realizar a análise técnica e de dados para oferta-lo, bem como garantir os requisitos dos clientes. Este é um serviço que recebe destaque na estratégia global da Gühring, atualmente são mais de 70 projetos no mundo. Este serviço não é fácil vender, demanda amplo conhecimento de gestão de negócios, equívocos por falta de conhecimento e experiência, podem inviabilizar o projeto no médio prazo”, avalia.




Comentários