Empresa alemã investe R$ 30 milhões em fábrica

Unidade utilizará como insumo o lixo urbano, comercial e industrial da cidade e região.

A  empresa alemã ME-LE Energietechnik irá investir R$ 30 milhões em Uberlândia na construção de uma fábrica que irá atuar na geração de energia renovável. A previsão é que a unidade esteja pronta para entrar em funcionamento dentro de dois anos.

Empresários do setor participaram no dia 6 de fevereiro da apresentação do projeto na sede da Fiemg Regional Vale do Paranaíba, quando também foi assinado o termo de intenções entre a empresa e a Prefeitura de Uberlândia.

O diretor do grupo ME-LE, Helmut Tundermann, explicou que nos próximos três meses uma equipe técnica fará um estudo para escolher a melhor localidade da cidade para receber a instalação do investimento.

A ME-LE, já presente na cidade, realiza hoje atividades de engenharia no domínio das energias renováveis – produção de biogás, a partir de resíduos orgânicos, basicamente estrume animal – e começa agora, após assinatura de acordo, o estudo de implantação de uma fábrica de energia elétrica que poderá utilizar como insumo o lixo urbano, comercial e industrial coletados em Uberlândia e região.

Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Turismo, Dílson Dalpiaz, a vinda de uma indústria para Uberlândia está alinhada ao planejamento estratégico de crescimento econômico adotado pela nova administração municipal. Isso uma vez que a planta virá a contribuir com o desenvolvimento sustentável ao reduzir o impacto ambiental dos aterros sanitários locais. “Uberlândia foi escolhida por todo o ambiente social, econômico e estrutural favorável”, explicou o secretário.

A Fiemg Regional Vale do Paranaíba, junto ao Governo do Estado e Prefeitura de Uberlândia, está apoiando todo o processo de facilitação para o início das atividades da empresa em Uberlândia. “No último dia 31 foi assinado em Belo Horizonte um acordo de cooperação entre o Governo de Minas Gerais, a Fiemg e o Estado alemão de Mecklenburg Vorpommern e representantes do setor Industrial. E uns dos primeiros resultados desse acordo é o anúncio de mais esse importante investimento, que gerará novos empregos e renda para a população de nossa cidade”, conta Everton Magalhães Siqueira, presidente da Regional Vale do Paranaíba. Ainda segundo Siqueira, quando a empresa estiver em pleno funcionamento junto a outros investimentos na região, terá potencial de gerar energia para uma cidade de 60 mil habitantes.


Continua depois da publicidade


Fiemg e Estado assinam acordo de cooperação 

A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) trabalha para a internacionalização da Indústria e economia mineira. No último dia 31 de janeiro, representantes do setor Industrial participaram da assinatura da declaração conjunta de cooperação entre o Governo de Minas Gerais, a Fiemg e o Estado alemão de Mecklenburg Vorpommern. 

Com duração prevista de dois anos, o acordo contempla auxílio mútuo nas áreas de cooperação internacional e desenvolvimento econômico sustentável.  Segundo o secretário de Indústria, Comércio, Trabalho e Saúde da região alemã, Stefan Rudolph, o Brasil é considerado um parceiro importante pelo país europeu, e Minas Gerais é estratégica nessa relação. Para ele, o intuito desse acordo de cooperação deve ser o de gerar soluções para desafios enfrentados pelas duas regiões em áreas como energia renovável, tratamento ecológico e sustentável de resíduos, além de questões ligadas à saúde e segurança do trabalho.

Já o secretário adjunto da Secretaria de Governo do Estado de Minas Gerais, Francisco Eduardo Moreira, ressaltou que a iniciativa de interação pretende desenvolver a internacionalização dos municípios mineiros, assim como facilitar experiências de sucesso e o fomento à inovação no estado. Na ocasião, a Fiemg foi representada pelo presidente da Regional Vale do Paranaíba, Everton Magalhães, que ressaltou a importância do esforço para atração de novos investimentos para Minas Gerais, e pelo superintendente executivo de Relações Institucionais, Paulo Brant, que assinou o acordo em nome da instituição.




Comentários