Importadores de máquinas têm pior 1º quadrimestre em 7 anos

Estudo da Abimei mostra que investimentos ainda estão em queda e entidade prevê pior ano da história para o setor.

Ainda não há sinais de recuperação para os importadores de máquinas e equipamentos industriais. As persistentes incertezas econômicas levaram as empresas ao nível mais baixo de investimento desde 2009. Como resultado, o setor registrou uma queda de mais de 33% no volume de importações em relação com os primeiros quatro meses de 2015. 

Esta é a pior queda para um quadrimestre desde que os números passaram a ser registrados pelo Banco Central. A contínua retração nos investimentos levou a Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais (Abimei), a rever suas projeções para 2016. A entidade estima que a importação de bens de capital no Brasil será 37,6% menor do que no ano passado. Caso esse cenário se confirme, este será o pior ano, em termos de investimentos em máquinas importadas, da história brasileira desde a abertura do mercado.

“Isso tem gravíssimas consequências para a produtividade da indústria brasileira”, declara o presidente da Abimei, Paulo Castelo Branco. “Sem os equipamentos importados, os fabricantes nacionais como um todo perdem competitividade, o que só faz atrasar ainda mais a recuperação econômica do país”, diz.

Em 2015, a queda nas importações de bens de capital foi de 25%, segundo a Abimei. No início deste ano, a estimativa da entidade era de uma retração semelhante. Essas previsões foram, agora, reavaliadas. “Não enxergamos grandes mudanças no futuro próximo”, avalia Castelo Branco.

O último estudo setorial produzido pela Abimei mostra que, em abril de 2016, as empresas importadoras investiram US$ 2,25 bilhões em máquinas do exterior. O valor indica uma retração de 8,6% em relação a março. Nos primeiros quatro meses de 2016, o valor de importações de máquinas não superou, pela primeira vez em sete anos, a cifra de US$ 10 bilhões.


Continua depois da publicidade


Além da queda de 33% em relação ao primeiro quadrimestre de 2015, o valor também ficou cerca de 13% abaixo do que foi registrado nos últimos quatro meses do ano passado.

“As empresas estão com grande capacidade ociosa e, por isso, estão ocupando essa capacidade antes de precisar investir novamente”, explica o presidente da Abimei.

A entidade também estima que o faturamento do setor importador de máquinas sofrerá uma retração ainda maior do que a de 2015, quando houve um encolhimento de 25%.




Comentários