International quer voltar a montar caminhões em Canoas (RS)

Fábrica está parada, mas empresa renovou habilitação no Inovar-Auto.

A Navistar garante que não desistiu de montar os caminhões International no Brasil. Apesar de ter suspendido completamente a produção de veículos na fábrica de Canoas (RS) desde outubro do ano passado, a empresa comprovou que quer voltar a produzir ao renovar por um ano, até maio de 2017, sua habilitação de fabricante no Inovar-Auto, depois de ficar um ano fora do programa. De forma despercebida, a habilitação foi aprovada pelo Ministério da Indústria por meio da Portaria 129 publicada em 31 de maio último no Diário Oficial da União.

“Sempre tivemos a intenção de retomar a produção assim que o mercado melhorar. Interrompemos a linha para ajustar os estoques que cresceram em função da queda abrupta das vendas. Se existir demanda, podemos rapidamente colocar a fábrica para funcionar outra vez”, explica José Eduardo Luzzi, presidente da Navistar América do Sul. “A renovação da nossa habilitação no Inovar-Auto comprova o interesse em voltar a produzir”, destaca.

Com capacidade para fazer até 5 mil caminhões/ano, a linha de montagem da International foi inaugurada na fábrica de Canoas em junho de 2013 – antes disso os dois modelos nacionais, o pesado 9800i e o semipesado Durastar, eram montados em área alugada da Agrale em Caxias do Sul (RS). No primeiro ano de operação em Canoas, as vendas foram sustentadas basicamente pela vitória de uma licitação pública para o fornecimento de quase 900 unidades do Durastar ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). De 2014 para 2015 os negócios desabaram de 954 para 67 unidades vendidas, inviabilizando o empreendimento.

Depois de parar a linha de produção no ano passado, a International continuou vendendo os caminhões que tinha em estoque, por meio de três concessionárias que seguiram abertas e vendas diretas do fabricante. Este ano, de janeiro a maio, foram emplacados 25 veículos da marca. E neste mês a empresa até investiu em campanha publicitária em TV regional no Rio Grande do Sul, onde tem boa reputação com os clientes.


Continua depois da publicidade


Fábrica parada

Depois de paralisar a linha de montagem de caminhões, a Navistar desmobilizou todas as demais áreas da unidade de Canoas. O centro de distribuição de peças foi transferido em novembro para São Paulo, na planta de Santo Amaro, e o contrato de produção de motores MWM para a picape Chevrolet S10 da GM foi encerrado em março passado. Com isso, quase todos os funcionários foram demitidos, mas ainda ficou uma equipe que cuida da manutenção da fábrica e dos caminhões ainda em estoque.

Segundo fontes, a Navistar negociou a locação ou parcerias com todas as fabricantes chinesas de caminhões que tinham planos de produzir no Brasil, incluindo Foton, Sinotruk, JAC e Shacman. Contudo, nenhuma proposta foi considerada viável, especialmente do ponto de vista financeiro, pois as matrizes na China não demonstraram interesse em investir no País depois da derrocada do mercado de caminhões. A Foton, que tinha assumido compromisso de erguer fábrica no mesmo Estado, em Guaíba, acabou fechando acordo para alugar uma área na Agrale de Caxias do Sul – ironicamente, a mesma que por mais de uma década foi utilizada pela International.




Comentários