MFX pretende investir R$ 50 mi na Bahia

Empresa quer ampliar em 30% a produção de cabos submarinos utilizados na extração de petróleo.

A MFX do Brasil Equipamentos de Petróleo pretende investir nos próximos meses cerca de R$ 50 milhões na ampliação e modernização de sua fábrica na Bahia  e na  abertura de novos mercados no exterior. Fundada há mais de 30 anos e localizada ao lado do porto de Aratu, a empresa é pioneira na fabricação de cabos umbilicais submarinos utilizados no processo de extração e produção petrolífera em alto mar, e de mangueiras termoplásticas de alta pressão, tendo sido a primeira empresa brasileira a lançar cabos umbilicais para a região do pré-sal brasileiro.

Aproximadamente 90% dos novos investimentos se concentrarão no projeto de modernização e ampliação da fábrica baiana, e os 10% restantes na abertura de filiais comerciais nos EUA, Reino Unido e Cingapura.

O projeto prevê  a criação de um laboratório de testes especializados, ampliação da área de engenharia de produto, capacitação para fabricação de umbilicais de maior complexidade com tubos de aço especial e de tubos poliméricos flexíveis, respaldando o plano de abertura de novos mercados. Hoje a unidade da MFX tem capacidade instalada para produzir até 400 km de cabos por ano. Com a expansão, a empresa pretende aumentar em  30% sua produção e faturamento e até em 15% o número de funcionários.


Continua depois da publicidade


Carta consulta

Segundo Ricardo Oliveira, diretor  da MFX, uma carta consulta já foi apresentada a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE). A   empresa aguarda apenas que detalhes fiscais sejam aprovados para anunciar oficialmente o  plano de investimentos. "Esses investimentos são importantes não somente para a empresa, mas para todo o segmento de petróleo e gás  da Bahia",  afirma Oliveira.

A MFX contratou a e  Winners Engenharia Financeira, para a viabilização econômica do modelo de negócio. "Apesar do momento econômico adverso, o projeto é financeiramente viável, se as questões fiscais forem resolvidas. A empresa pensa no médio e longo prazo e está transformando a crise em oportunidade" afirma Carlos Falcão, sócio da Winners.




Comentários