Empresa italiana vai investir R$ 1,2 bilhão no Piauí

Empresa italiana Enel Green Power vai iniciar atividades em março de 2016 na região de São João do Piauí e Brejo do Piauí.

Como forma de prestar contas à população piauiense dos investimentos que foi negociar na Europa, o governador Wellington Dias explicou que a viagem para Espanha, Alemanha e Itália se deu para garantir recursos para expandir a prospecção de energia solar no estado e para a produção de alimentos, bem como para dar segurança aos investidores externos. Dentre as negociações que realizou, o gestor destacou o acordo fechado com a empresa italiana Enel Green Power, referência na produção de energias renováveis, que vai investir R$ 1,2 bilhão no Estado e deve iniciar suas atividades em março de 2016 na região de São João do Piauí e Brejo do Piauí.

Em solenidade de retomada de cargo, no dia 17 de dezembro, no Palácio de Karnak, o chefe do executivo estadual informou que o diálogo com investidores foi proveitoso. “Tivemos sucesso na concretização dos objetivos da viagem. Conseguimos garantir investimentos na área de energia solar, com a maior empresa do mundo no setor, que é a Enel Green Power, que tem investimentos nos Estados Unidos e Europa”, destacou o governador.

No Brasil, a Enel Green Power está gerando energia em parques eólicos e pequenas centrais hidrelétricas nos estados de São Paulo, Mato Grosso, Tocantins, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

O governador afirmou que outra empresa, a Meyer Burger, deve investir cerca de R$ 400 milhões na região de Paulistana, com a instalação de uma fábrica de placas de captação de energia solar no município.

O chefe do executivo do Estado declarou que teve um encontro com a FAO e com o Banco Interamericano, em que discutiu os parâmetros para dois contratos, de 100 milhões de euros cada um. Os acordos serão voltados para a área das mudanças climáticas com produção de alimentos com os pequenos produtores. “Este acerto vai permitir trabalhar pequenas barragens em 16 rios em todo o estado, especialmente no Semiárido piauiense, recuperando matas ciliares, gerando emprego e renda e garantindo recarga para o lençol freático”, explicou Wellington, acrescentando que em fevereiro, será realizada uma reunião para o fechamento do acordo.




Comentários