Klabin avalia construção de duas novas máquinas de produção de papel

Em reunião com investidores e analistas, a Klabin previu investimentos de 2,5 bilhões de reais para 2016.

O início da operação da primeira fábrica de celulose da produtora de papéis Klabin, em março do ano que vem, trará para a companhia um novo ciclo de crescimento, devendo praticamente dobrar sua geração de caixa e elevar sua receita com exportações, afirmaram executivos nesta terça-feira (1), o que também vai permitir uma possível construção de duas novas máquinas de produção de papel.

Em reunião com investidores e analistas, a Klabin previu investimentos de 2,5 bilhões de reais para 2016, dos quais 1,8 bilhão será dedicado à conclusão final do projeto de celulose, chamado Projeto Puma, no Paraná. O valor representa queda ante os 4,8 bilhões de reais que devem ser investidos em 2015 por conta da fábrica.

A companhia estimou que, após o início do projeto, a participação das exportações crescerá de 34 para 47 por cento no volume de vendas e de 31 para 43 por cento na receita. Com isso, o presidente da empresa, Fabio Schvartsman, previu redução acelerada do endividamento da empresa no ano que vem.

A fábrica terá capacidade de produzir 1,1 milhão de toneladas de celulose de fibra curta e 400 mil toneladas de fibra longa ao ano. Devido à curva de aprendizado, em 2016 devem ser produzidas 850 mil toneladas, na proporção de dois terços de fibra curta e um terço de fibra longa.

Com a nova produção de celulose, a empresa disse que já teve autorização do Conselho de Administração para começar estudos de engenharia para uma nova máquina de papel, a máquina 10, voltada para a exportação de papelcartão a partir de 2018. A decisão para sua construção ou não será tomada depois da partida do Projeto Puma.

"Sobre uma segunda máquina, a máquina 11, ainda não está certo se seria de cartões ou outro tipo de papel. Vai depender do sucesso da máquina 10", disse Schvartsman.


Continua depois da publicidade


"A 10 seria maior que a máquina 9, espero que com capacidade para 500 mil toneladas", acrescentou Schvartsman, a jornalistas. As máquinas não estão incluídas nos investimentos previstos para 2016, apenas o pré-projeto de engenharia.

Integração

Apesar da intenção de integrar a produção de celulose com a de papel, a companhia disse que sempre será vendedora de celulose a partir do ano que vem. "A quantidade produzida é tão grande que, por maior que seja a vontade de integrar com papel, será impossível em um horizonte previsível consumir toda a celulose", afirmou Schvartsman.

Ele ressaltou que a China tem acelerado a demanda pela commodity, apesar da redução do crescimento da economia do país asiático. "Vejo pressão sobre preços (de celulose), mas sem consequências", observou o executivo.

Na sua leitura, o mercado global de celulose deve se mostrar pressionado, porém firme nos próximos anos. No segmento de papel, a empresa disse que as exportações já deram um salto relevante no quarto trimestre de 2015, com destaque para América Latina e Ásia, principalmente de papelcartão e kraftliner.

"Temos conseguido compensar a fraqueza da economia doméstica", disse.

Sobre eventuais aumentos de preços, o executivo disse que a Klabin já vem repassando a inflação a seus clientes no mercado interno, mas que não fará “exageros”.

No mercado de embalagens, que costuma seguir o movimento da economia doméstica, Schvartsman disse que se o PIB de 2016 continuar caindo, o segmento terá o mesmo caminho. "Quando o cenário fica duro, como está agora, é quando se apresentarão oportunidades de consolidação. A Klabin analisará uma vez que é participante permanente do mercado", disse.

A empresa vê no momento uma queda do PIB um pouco menor que alguns meses atrás, apesar dos números desta terça-feira que mostraram queda de 1,7 por cento no terceiro trimestre sobre o segundo trimestre.

"A venda de caixas de papelão é um indicador antecedente do PIB, sofremos as consequências antes... A tendência é o PIB continuar caindo, mas em ritmo menor”, disse.

As ações units da Klabin exibiam estabilidade às 12h21, em linha com o comportamento do Ibovespa.




Comentários