Metalúrgicos da Volks entram em greve contra demissões em Taubaté

Volkswagen afirma em nota que a planta do Vale do Paraíba é a mais cara do Brasil.


Continua depois da publicidade


Funcionários da planta de Taubaté da Volkswagen decretaram greve no início da tarde desta segunda-feira (17). A paralisação foi uma forma de protesto após alguns funcionários do primeiro turno receberem cartas de demissões, durante uma reunião entre o Sindicato dos Metalúrgicos e diretores da empresa.

Segundo estimativa do sindicato, o número de demissões varia entre 50 e 100. Representantes da categoria afirmam que todos os 2.500 trabalhadores do segundo turno cruzaram os braços na tarde desta segunda-feira.

A greve iniciou-se no mesmo dia em que 250 funcionários da Volkswagen voltaram ao trabalho após passarem cinco meses em layoff. Outro grupo de 120 funcionários também saiu em layoff no dia 27 de abril e o retorno às atividades estava previsto para setembro. A fábrica de Taubaté produz o modelo Up!, Gol e Voyage.

Na última semana, o sindicato já havia anunciado a possibilidade de deflagrar a greve caso a empresa fizesse desligamentos na unidade de Taubaté. Os trabalhadores também rejeitaram uma proposta da empresa para um novo acordo de trabalho, que incluía novos benefícios no plano de demissão voluntária e propunha a redução do tempo de aposentadoria, de 35 para 33 anos de contribuição.

Outro lado

Em nota, a Volkswagen não informa se houve demissões na fábrica de Taubaté. Mas ressalta que a unidade tem os custos mais altos da empresa no Brasil e "que todos os esforços não foram suficientes para adequar a produção à demanda do mercado". Confira abaixo a íntegra da nota enviada pela montadora.

“Em razão do cenário do setor automotivo, diversas medidas de flexibilização da produção foram aplicadas em 2015, como por exemplo férias coletivas, suspensão temporária dos contratos de trabalho (lay-off), shut down, entre outras. No entanto, todos os esforços não foram suficientes para adequar a produção à demanda do mercado. Com foco na melhoria de competitividade da fábrica frente ao cenário atual da indústria automobilística e as projeções para 2015 e 2016, a Volkswagen buscou alternativas junto ao Sindicato, realizando desde Abril um processo de negociação para a composição de uma proposta que permitisse a adequação necessária da estrutura de efetivo e custos da unidade, que hoje são os mais altos da Volkswagen no Brasil. A Empresa apresentou uma proposta balanceada, que  contemplava a continuidade de formas de adequação de efetivo através de Programas Voluntários com incentivo, entre outras medidas.


Continua depois da publicidade


Apesar de a proposta não ter sido aprovada, continua urgente a necessidade de adequação de efetivo e otimização de custos para melhorar as condições de competitividade de Taubaté.”

Crise das montadoras

Nesta segunda-feira, a chinesa Chery anunciou férias coletivas para funcionários da fábrica de Jacareí, no interior de São Paulo. Segundo a empresa, cerca de 200 operários são afetados pela medida. O Sindicato dos Metalúrgicos diz que as férias abrangem até cerca de 300 pessoas.

Em São José dos Campos, também no interior paulista, a GM anunciou 798 demissões, e os funcionários começaram uma greve. Uma reunião no Tribunal Regional do Trabalho ainda nesta segunda-feira, irá definir a legitimidade da paralisação.




Comentários