Volkswagen coloca mais 2,3 mil em lay-off no ABC


Continua depois da publicidade


A Volkswagen do Brasil vai colocar mais 2.357 trabalhadores em lay-off (suspensão dos contratos de trabalho) a partir de segunda-feira na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). Eles ficarão em casa por cinco meses. Outro grupo de 220 funcionários dessa unidade já participa do programa desde 1.º de junho.

Amanhã (2) e sexta-feira a empresa vai dispensar novamente todos os 8 mil trabalhadores da produção - de um total de 12 mil na fábrica - para ajuste da produção à demanda, segundo informa o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Essa medida, chamada de 'shut down', vem sendo adotada ao longo do ano.

Ontem (30), a linha de montagem dos modelos Gol e Saveiro já ficou parada o dia todo por problemas de abastecimento de bancos fornecidos pela fabricante Keiper. A Volkswagen confirmou que não houve produção ontem por falta de peças, mas não comentou sobre o lay-off nem sobre a parada de amanhã e de sexta-feira.

Com mais esse grupo, sobe para cerca de 7,4 mil o total de trabalhadores apenas nas montadoras que estão em lay-off, inclusive nas unidades da Volkswagen em Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR). No período do programa, eles recebem parte dos salários (R$ 1,3 mil) pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Hoje, entram em férias coletivas 12 mil trabalhadores da Fiat em Betim (MG) por dez dias para redução de estoques. Amanhã, são mais 1,8 mil operários da Hyundai, em Piracicaba (SP), também por dez dias, mas a empresa afirma tratar-se de parada programada para manutenção.

Vendas em queda

O mercado de veículos novos segue em queda. Até segunda-feira (faltando portanto um dia para o encerramento de junho) foram vendidos 199 mil veículos no País, incluindo caminhões e ônibus.

O número é 6,2% menor que o de igual período de maio e 19,7% abaixo do volume registrado no mesmo intervalo de junho de 2014. No acumulado do primeiro semestre, as vendas somam 1,3 milhão de veículos, queda de 20,7% ante o ano passado. Confirmada a queda, as montadoras terão o pior primeiro semestre em vendas desde 2008.




Comentários