Rhodia investe R$ 50 milhões em novos equipamentos de texturização e fiação

A Unidade Global de Negócios Fibras tem uma série de projetos em seu pipeline de inovações têxteis com pegada sustentável.

A Rhodia, empresa do grupo Solvay, está investindo em tecnologia para a produção de fibras e fios têxteis inteligentes de poliamida, visando atender à crescente demanda do mercado por produtos têxteis inovadores. Os recursos, da ordem de R$ 50 milhões, estão sendo aplicados na instalação de equipamentos de última geração na área de texturização e na modernização das fiações têxteis.

O investimento está alinhado à estratégia de crescimento da Unidade Global de Negócios Fibras, de acordo com um planejamento que contempla o aumento da produtividade e da competitividade das suas atividades, através de uma série de ações ligadas às operações industriais e comerciais, ao mesmo tempo em que se reforça o desenvolvimento de inovações sustentáveis em fios e fibras - segmento em que essa área da empresa tem sido reconhecida nacional e internacionalmente.

Inovações sustentáveis

“A inovação é um eixo fundamental para o nosso crescimento e para o desenvolvimento do setor têxtil, tendo em vista que o mercado demanda por novos produtos que efetivamente criem valor”, diz Renato Boaventura, que a partir de 1° de julho próximo assumirá a posição de presidente da Unidade Global de Negócios Fibras, do Grupo Solvay.


Continua depois da publicidade


“Se antes os consumidores desejavam qualidade e conforto, agora querem um artigo têxtil que combine essas características com funcionalidades capazes de aumentar o bem-estar e performance, e em linha com a Sustentabilidade. Todos esses benefícios somente podem ser conferidos com as fibras têxteis inteligentes”, acrescenta Boaventura.

A Unidade Global de Negócios Fibras tem uma série de projetos em seu pipeline de inovações têxteis com pegada sustentável. O trabalho de pesquisa e inovação é orientado pelas grandes tendências mundiais, relacionadas à maior demanda das populações por saúde e bem-estar, às questões das mudanças climáticas combinadas com a escassez de recursos, aos desafios do aumento da urbanização das regiões e ao avanço das tecnologias que aumentam a conectividade entre as pessoas.

"Temos um grande objetivo de dobrar o volume de vendas de nossas Inovações. Hoje, os produtos lançados há menos de 5 anos já representam 20% de nosso faturamento e até 2018 queremos atingir 40%", acrescenta Renato Boaventura.




Comentários