Etanol é foco de debate no Recife

Fonte: Energéticas - 06/07/07

Fórum Nordeste discute hoje produção de biocombustíveis e energia limpa

Ministro Sérgio Rezende participa da abertura do evento na Arcádia

O que muitos paises desenvolvidos começaram a fazer agora o Brasil já faz há mais de 30 anos. A produção de biocombustíveis e energias limpas passou a ser uma obsessão no mundo moderno. Nessa busca por uma energia alternativa ao petróleo, e bem menos poluente, o modelo do sucesso brasileiro com o etanol passou a ser o alvo da vez. Para discutir esse tema, o Recife estará sediando, hoje, o Fórum Nordeste 2007. Trata-se de encontro entre empresários, gestores públicos e privados que, nesta sua primeira versão, irão discutir os setores energéticos ligados ao etanol, biocombustíveis e energias limpas. As palestras e os debates do evento se concentrarão nos desafios e oportunidades que o Nordeste e Pernambuco dispõem para investimentos nessa área.

O Fórum Nordeste 2007- Desafios e Oportunidades nos Setores de Biocombustível e Energias Limpas vai contar com a presença do Ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, que dará início aos trabalhos. Também participam o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Fernando Bezerra Coelho, que farão a apresentação das possibilidades que Pernambuco oferece para o setor.

Para se ter uma noção desse boom basta levantar o crescimento do uso do álcool no mercado interno e externo. Esse valor gira em torno de 6% e 9%, respectivamente, segundo dados do Sindicato do Açúcar e do Álcool de Pernambuco (Sindaçúcar). Somente dentro do território nacional, cerca de 76,3% da frota de veículos novos já é movida a biocombustível.

Com o avanço das negociações com outros países em torno das capacidades de produção e de venda, por parte do Brasil, dessas possibilidades energéticas, o empresário e vice-presidente da Dedini Agro, José Olivério abre o ciclo de palestras do encontro e falará sobre a condição brasileira de oferecer bens de capital para biocombustíveis.



Comentários