Estreantes na Feimafe acreditam na recuperação do mercado local

Mais da metade das marcas que expuseram na 15ª Feimafe são estreantes no evento.

Com a ausência de marcas importantes do setor, o destaque da 15ª Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Processos Integrados de Manufatura (Feimafe 2015) foram as estreantes do evento. O presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado, Juan Pablo De Vera, afirmou que 732 marcas expuseram pela primeira vez nessa edição, mais da metade das marcas que estiveram presentes na feira esse ano.

Entre as estreantes, a Dardi encontrou um colaborador brasileiro para trazer a empresa para o mercado local. Dessa forma, a participação no evento teve uma estratégia para divulgação da marca, especialista em tecnologia de corte com jato de água. O presidente da empresa chinesa, Hongjun Zhao, veio ao Brasil pela primeira vez para participar do evento e se diz satisfeito com a feira.  

Zhao acredita que pode ganhar mercado no Brasil, ainda que reconheça as dificuldades que o País tem enfrentado. “Primeiro, porque temos boa representação no Brasil. Segundo, porque temos um bom produto e, terceiro, porque acredito que o mercado logo vai melhorar”, contou o presidente. As vendas diretas, realizadas há dois anos no País, representaram um crescimento expressivo nas vendas locais da empresa. De acordo com o diretor Marcos Ribeiro, desde então, as vendas no mercado nacional mais que dobraram.

Pela primeira vez na Feimafe com estande próprio, a Vargus Tools é outra empresa que estreou no evento em busca de novos negócios. Instalada, desde o início do ano, com uma subsidiária em Santa Catarina, a empresa israelense busca estabelecer novos parceiros de distribuição no País. Investir na Feimafe faz parte do projeto de investimentos em eventos segmentados, seminários e capacitação dos distribuidores. Chegar ao Brasil em meio a uma crise econômica, segundo o vice-presidente da companhia, David M. Wolfe, serve para mostrar o comprometimento da empresa com o mercado local.

A taiwanesa Wele, também participou pela primeira com estande próprio. A fabricante de máquinas-ferramenta entrou no mercado brasileiro através de uma multimarcas, há seis anos. Há dois meses em parceria com a Pmach, a empresa participou com estande próprio e ainda através da parceira no evento.  A Wele estuda o mercado para estar cada vez mais presente no País. “O Brasil continua sendo um mercado em potencial e ainda há espaço para participar”, disse o diretor do grupo, Eric W. S. Loo.

Tópicos:



Comentários