Fiat-Chrysler investe para concorrer com o EcoSport

A aposta da empresa é que até 2018 o segmento de SUVs pequenos venda 328 mil unidades por ano.

Em menos de três meses, o grupo Fiat-Chrysler abriu no país 75 revendas da marca Jeep como parte da estratégia de tentar alçar o Renegade à liderança do mercado nacional dos utilitários-esportivos (SUV) de pequeno porte. Se atingir a meta, vai desbancar o Ford EcoSport, que ocupa o posto há dez anos.

O modelo começou a ser produzido na fábrica do grupo em Goiana (PE) e chegará ao mercado em 10 de abril. Somando as 45 lojas da marca Chrysler que já operavam no país, o grupo conta com 120 revendas e espera chegar a 200 até o fim do ano. Segundo Sérgio Ferreira, diretor geral da Chrysler Brasil, a abertura dessa rede representou investimentos de R$ 240 milhões (R$ 2 milhões por loja, em média) e a criação de 1.500 postos de trabalho.

"O Brasil é o segundo maior mercado do mundo para a marca Fiat-Chrsyler, atrás apenas dos Estados Unidos", diz Ferreira, ao justificar, em parte, a aposta da empresa no mercado brasileiro mesmo em tempos de crise, quando as vendas de veículos desabam. Ele ressalta que, apesar do cenário desfavorável para o mercado automotivo como um todo, as projeções são de crescimento de 40% a 50% no segmento de SUVs compactos neste ano, frente às 135 mil unidades comercializadas em 2014. O número representa 45% das vendas totais de utilitários no ano passado, incluindo os modelos de médio e grande porte.


Continua depois da publicidade


A aposta da Fiat-Chrsyler é que até 2018 o segmento de SUVs pequenos venda 328 mil unidades por ano. Outras marcas apostam no segmento e farão forte concorrência ao Renegade, que deve custar a partir de R$ 70 mil.

A Honda também iniciou este mês a produção do HR-V na fábrica de Sumaré (SP), assim como a Peugeot, que entrou no páreo com o 2008 em Porto Real (RJ). Ferreira diz que a marca já tem 20 mil inscritos para comprar as primeiras unidades do Renegade e não revela, por enquanto, os planos de venda do modelo para o ano todo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Comentários