SolidWorks abraça conceito de interatividade e compartilhamento

Acompanhando a tendência no segmento, a marca enfatiza conectividade entre as coisas e designer do futuro.

Pautada pela mudança do design em tempos de tecnologia 3D e Internet das Coisas (IoT), a Dassault Systèmes lança o release 2016 do software SolidWorks e anuncia mudanças no quadro de executivos da empresa. Os anúncios foram feitos à imprensa e aos participantes do SolidWorks World 2015, evento anual da companhia que aconteceu entre os dias 8 e 11 de fevereiro, em Phoenix, capital do estado do Arizona, Estados Unidos. 

A demanda pela interatividade e o compartilhamento tem mudado o desenvolvimento de novos produtos. Com esse discurso bem definido, desde a abertura do evento, executivos e convidados especiais reforçaram a mensagem da empresa no interesse de acompanhar este cenário em constante mutação. A despedida de Bertrand Sicot da SolidWorks – que agora assume a Value Solutions da Dassault Systèmes – e o anúncio do novo CEO da marca, Gian Paolo, deram as primeiras pistas da mensagem que a empresa pretendia transmitir naquele evento. 

Ex-CEO da SolidWorks, Bertrand Sicot, faz selfie na companhia de um drone da Parrot.
Imagem: Divulgação

O evento já começou com um drone sobrevoando o palco onde Sicot se despedia do público SolidWorks, anunciando sua mudança. A apresentação de palestrantes como o Dr. Michio Kaku, fisicista que falou sobre suas teorias futuristas e a relação homem e tecnologia no futuro; o designer industrial Jinsop Lee, que descreveu a teoria “designing for the five senses”, em que ele defende que um ótimo design deve estimular os cinco sentidos; entre outros que ressaltaram a importância de um design feito para pessoas e aquilo que o produto final proporciona ao seu consumidor.


Continua depois da publicidade


Geração cloud

O novo CEO da SolidWorks, Gian Paolo, disse durante o evento que a empresa entra para o que chama de “geração nuvem de produtos”. Segundo Paolo, até 2020 haverá 200 bilhões de produtos conectados. Apesar do foco, ele garante que a empresa não deixará de investir em produtos desktop.

Gian Paolo é o novo CEO da SolidWorks.
Imagem: Divulgação

Segundo o Senior Product Manager Solidworks Electrical, Louis Feinstein, responsável por todo segmento de elétrica da marca, a SolidWorks vem investindo na área de circuitos eletrônicos, onde as ferramentas voltadas para o design mecânico e elétrico passaram a trabalhar de forma mais colaborativa. "Muitos engenheiros estão colaborando ao mesmo tempo [em um projeto], inclusive junto com o Mechanical [SolidWorks Mechanical Conceptual, que a partir de agora passa a ser chamado de SolidWorks Conceptual Design]", falou Feinstein.

Apesar do segmento ser antigo dentro da empresa é notável a importância que se tem dado a ele nos últimos anos e o investimento realizado em produtos que atendam o design de circuitos elétricos, como o SolidWorks Electrical, introduzido em 2012. Surpreendendo as expectativas, a venda do produto cresceu 100% no segundo ano de vendas, em 2014.

Segundo Feinstein produtos conectados já fazem parte da demanda de seus clientes. “No fim do dia o que importa é o que os clientes querem”, diz. O gerente conta que a empresa tem focado em IoT, ainda que já tivesse espaço na empresa para isso, porém com menor popularidade. Além disso, a tecnologia da IoT não era tão acessível como hoje, seja para o consumidor comum ou para a indústria. 

Brasil e América Latina

No início do mês, a empresa também divulgou as mudanças na diretoria brasileira. Mario Belesi assume a direção do Professional Channel da América Latina, passando a ficar responsável pelas vendas das soluções SolidWorks na região. Com três décadas de SolidWorks, Oscar Siqueira se torna o novo diretor de Value Solutions. Ele ficará responsável pelas vendas indiretas das soluções Dassault Sistèmes.

Sobre o mercado brasileiro, ainda que com o desafio na indústria local, a empresa garante ter cumprido suas metas no Brasil e na América Latina. Entretanto, a região Andina teve maior destaque em 2014, juntamente com o México. Ainda que com menor destaque, as vendas no Brasil também cresceram. A proporção de novos clientes na América Latina é maior do que a média mundial, segundo Siqueira. Os executivos brasileiros creditam o resultado à venda de soluções que reduzem os custos e otimizam processos industriais. Belesi lembra que a aquisição de soluções em software é uma saída para tempos difíceis na economia, pois oferecem a redução de custos na indústria.

Belesi afirma conta que 2015 começa ainda mais forte para a região, uma vez que o México passa a atender diretamente para a central norte-americana da SolidWorks.

*A jornalista do CIMM viajou a convite da Dassault Sistèmes.




Comentários