IMI passa por reestruturação global e integra marcas em operação no Brasil

A partir deste mês, o grupo IMI plc passará por uma reestruturação global e integrará todas as suas operações. Com o novo formato, de uma única companhia, todas as empresas historicamente adquiridas pelo grupo serão incorporadas a três divisões: Precision Engineering, Critical Engineering e Hydronic Engineering. No mundo, a integração resultará em um gigante de engenharia, com mais de 20 marcas, 12.000 funcionários, atendendo 14 indústrias globais.

No Brasil quatro empresas passam pela mudança. A Norgren, que atua no ramo de automação industrial e indústria automotiva; a Interativa Válvulas e a CCI, que atuam no ramo de Oil & Gas; e a Tour & Andersson, que atua no ramo de válvulas e sistemas para climatização de ambientes. As quatro empresas passam a operar com o nome IMI. Essa mudança representará uma oportunidade para o grupo crescer regionalmente. Hoje, a América Latina representa 5% do faturamento da IMI.

“Com esta mudança estamos dando um passo importante para transformar a IMI em uma grande companhia de classe mundial, que oferece ótimas soluções de engenharia para os problemas das indústrias”, afirma Ricardo Rodrigues, Presidente da IMI Precision Engeneering Latam. “Não estamos apenas mudando de marca, mas estrategicamente compartilhando expertise e tecnologia de todas as nossas divisões. Assim, vamos fornecer mais benefícios aos nossos clientes, incluindo um portfólio maior de produtos, além de experiência técnica, presença e recursos internacionais”.

O grupo é um dos maiores conglomerados de engenharia do mundo, com 152 anos desenvolvendo soluções inovadoras para líderes da indústria global. Suas soluções endereçam tendências em áreas como automação industrial, energia limpa, eficiência energética, saúde, entre outras. A reestruturação busca maior eficiência, estimula o compartilhamento de boas práticas, a transferência tecnologia e a inovação.


Continua depois da publicidade


Norgren, presente no Brasil há 40 anos, será uma das marcas de produtos e soluções dentro da divisão Precision Engineering, assim como marcas já reconhecidas e confiáveis para o mercado industrial, como Buschjost, Herion e Maxseal. CCI e Interativa, também em operação em território brasileiro, passarão a integrar a divisão Critical Engineering. A dividão de Hydronic Engineering terá marcas reconhecidas globalmente como Tour & Andersson, Pneumatex e Heimeier.

Impacto para a indústria

Em curto prazo, a chegada da IMI no mercado brasileiro será sentida pelo efeito do rebranding, integrando todas as marcas. A confiabilidade e a eficiência das soluções e produtos já conhecidos pela indústria não mudam. Por outro lado, em longo prazo, a integração terá grande impacto. A operação brasileira receberá novos investimentos em inovação de produtos e fábricas, cadeia de distribuição, serviço ao cliente e suporte pós-venda, garantindo uma operação de classe mundial, com produtos de alta tecnologia e qualidade. Assim, os projetos com indústrias globais terão um alinhamento estratégico, facilitando sua transferência para diferentes mercados.




Comentários