PTC fecha ano fiscal 2014 com receita de US$ 1,358 bilhão


Continua depois da publicidade


A PTC, fornecedora de soluções de tecnologia para indústrias, fechou o quarto trimestre de seu ano fiscal (encerrado em 30 de setembro de 2014) com receita de US$ 368 milhões, correspondendo a um aumento de 7% em relação ao mesmo período do ano anterior. No ano 2014, a receita obtida superou em 5% à de 2013, totalizando em valores US$ 1,358 bilhão. Contribuíram para o resultado anual, em US$ 16 milhões,  as aquisições das empresas Enigma (11 de julho de 2013), NetIDEAS (05 de setembro de 2013), ThingWorx (30 de dezembro de 2013), Atego ( 30 de junho de 2014), e Axeda (11 de agosto de 2014).
 
Na avaliação de James Heppelmann, presidente e CEO da PTC, 2014 foi um ano importante para a companhia que, do ponto de vista estratégico, realizou investimentos significativos no segmento de Internet das Coisas (IoT). “Acreditamos que isso contribuiu para nos estabelecer na liderança desse mercado de produtos inteligentes e conectados que se caracteriza pelo rápido crescimento”, destaca.

Esse fator, combinado com a oferta de soluções poderosas de CAD (design mecânico e eletroeletrônico), PLM (gerenciamento do ciclo de vida do produto), ALM (gerenciamento de aplicativos e software embarcado), e SLM (gerenciamento dos serviços), posicionou a PTC como parceira de seus clientes no sentido de abrir a eles novas oportunidades de investir em inovação tecnológica e, com isso, a empresa espera obter crescimento acelerado também em 2015. Do ponto de vista financeiro, a PTC cumpriu o compromisso a que se propôs em 2009 de aumentar a lucratividade em 20% ao ano ao longo de cinco anos. “De 2009 a 2014 tivemos um crescimento de 22% (não-GAAP) e um aumento de 34% no fluxo de caixa operacional", explica.
 
Heppelmann destaca que olhando apenas os resultados obtidos no quarto trimestre de seu ano fiscal 2014, a receita da PTC superou as expectativas, impulsionada pelo bom desempenho da companhia em várias regiões geográficas. A receita de licenças não-GAAP de US$ 113 milhões aumentou 7% em moeda constante, em relação ao mesmo período do ano anterior, sendo que na Europa esse aumento foi de 28%, nas Américas de 14%, e no Japão, 7%.
 
Pelo segundo trimestre consecutivo, a companhia obteve forte crescimento nas soluções de CAD e PLM (Extended EPLM). A receita de licenciamento EPLM cresceu 11% ano a ano em uma base de moeda constante, impulsionada pelo crescimento em ALM. No segmento de CAD houve expressivo crescimento das vendas de módulos da solução Creo®, e eLearning. Para o ano fiscal 2015, a PTC espera alavancar as vendas de soluções SLM que deverão voltar a crescer dois dígitos. “Na área de Internet das Coisas, acreditamos que a nossa posição de liderança de mercado no fornecimento de plataformas de desenvolvimento de aplicativos, combinada com a venda de soluções de IoT para clientes novos e tradicionais da PTC, nos permitirá alcançar taxas de crescimento de dois dígitos até 2018", completa Heppelmann.
 
No ano fiscal 2014, a PTC fechou 33 grandes negócios (com venda de licenças + serviços reconhecidos de mais de US$ 1 milhão), com empresas como a Applied Materials; Chico’s FAS, Inc.; China North Engine Research Institute; Dell Computer; Doosan; Embraer; Hanesbrands; Iseki & Co.; Liebherr; Lockheed Martin; Man Truck & Bus; Raytheon; SMS Siemag; e Solar Turbines.
 
Heppelmann acredita que será possível para a empresa alcançar 15% de crescimento da lucratividade ao ano, até 2018, impulsionado por uma mistura saudável de aumento das receitas e expansão da margem operacional. Para 2015, a PTC prevê uma desaceleração da atividade industrial na Europa, Japão e China, o que pode resultar em um número menor de negócios grandes em comparação ao ano anterior.
 
"Há duas variáveis importantes a considerar quando pensamos sobre o nosso desempenho financeiro em 2015. Em primeiro lugar, a depreciação do euro e do iene em relação ao dólar irá impactar significativamente em nossos resultados financeiros. Em segundo lugar, devido à evolução das preferências dos clientes, bem como as aquisições que fizemos em IoT, vamos oferecer a maioria dos produtos da PTC em nuvem a partir do próximo ano", conclui Heppelmann.




Comentários