Continental produz perto do limite em Camaçari

Expansão da capacidade, porém, sai dos planos de curto prazo.

A fábrica de pneus Continental, em Camaçari (BA), vem produzindo perto do limite de sua capacidade anual de 7 milhões de unidades para carros de passeio e picapes e outros 500 mil para caminhões. Em 2014, o fornecimento para montadoras de automóveis cresceu 4% na comparação com igual período de 2013.

Para o segmento de reposição tanto de veículos leves como pesados obteve alta de 5%. A empresa busca equilíbrio no fornecimento a fabricantes de veículos, aftermarket e exportações (para México, Estados Unidos e Canadá). 

Nas vendas para a indústria de caminhões, contudo, a Continental teve queda de 12%. Ao que parece, os negócios no País fizeram a companhia rever o anúncio de ampliação da capacidade produtiva previsto para o início de 2015. 

“Do jeito que está o mercado, não existe previsão de investimento em curto prazo”, disse o diretor superintendente da empresa, Renato Sarzano. Atualmente, a fábrica brasileira produz seis linhas de pneus para caminhões e catorze para automóveis e comerciais leves, somados os modelos Continental e de outras marcas pertencentes à empresa e também fabricados na Bahia: General Tire, Semperit, Viking, Euzkadi e Barum.

“Cada um tem seu canal específico de distribuição”, explica o diretor da empresa. São cerca de 600 os pontos de venda Continental no Brasil entre lojas com sua bandeira, concessionárias e outros estabelecimentos. “A rede está em expansão e cumpre a meta de 20 novos pontos a cada ano”, recorda Sarzano.

De acordo com o executivo, a companhia fabrica no Brasil 93% dos pneus que vende no mercado local: “Importamos os pneus para moto e outros cujo volume não justifica a produção local, como os do Porsche Panamera”, exemplifica.

Na quarta-feira (19), a empresa lançou cinco novas medidas do modelo Conti Cross Contact AT desenvolvidas para os modelos aventureiros nacionais. Existe a intenção de fornecê-las às montadoras a partir de 2015.


Continua depois da publicidade


Antes disso elas estarão disponíveis para os consumidores. “O importante é estar preparado para um segmento que ocupa cerca de 10% de todo o mercado de reposição. É uma boa fatia”, diz Sarzano referindo-se aos pneus para uso misto que podem equipar modelos das linhas Fiat Adventure e Trekking, VW Saveiro Cross e Cross Fox, por exemplo, e utilitários esportivos como Ford EcoSport e Renault Duster.

Tópicos:



Comentários