Chineses da Lifan admitem montar aqui

Decisão depende de aumento de vendas no mercado brasileiro.

A direção da Lifan deixa de lado o tom de “veja bem” que vinha adotando cada vez que se perguntava sobre a construção de uma fábrica no Brasil. A montadora chinesa ainda não define uma data, mas faz crer que está mais perto disso. 

“Há uma semana confirmamos o investimento de US$ 300 milhões para erguer uma planta na Rússia, onde alcançamos os resultados esperados. Assim que isso ocorrer aqui também decidiremos por uma fábrica local”, afirmou o diretor-presidente da Lifan, Huang Zhen, durante a apresentação do sedã LF 530.

A condição para produzir aqui estaria em um patamar anual de vendas entre 20 mil e 30 mil carros por ano, bem acima da meta de 12 mil unidades para 2015. Outro ponto a resolver é que uma linha de montagem no Brasil tornaria ociosa a de Montevidéu (erguida pela Effa e incorporada pela Lifan há dois anos), já que quase toda a produção uruguaia é absorvida pelo Brasil. A unidade opera de segunda-feira a sábado em um turno e monta em três linhas de SKD o utilitário esportivo X60, a picape Foison e mais recentemente o LF 530. 

Uma pequena parte da produção permanece no Uruguai ou vai para o Chile. “A Argentina também começará a receber os carros”, afirma o diretor comercial, Jair Oliveira. “Numa situação normal de mercado e com a Argentina comprando os Lifan uruguaios, 70% da produção seria destinada ao Brasil”, diz. 

Para turbinar suas vendas, a Lifan também quer ampliar a rede: “Hoje temos 49 concessionárias. Há outras 13 já nomeadas. “O desejo é ter 80 casas em 2015”, diz Oliveira. Com apenas um modelo Lifan zero-quilômetro (o X60) de maio de 2013 a julho deste ano, os concessionários também revendiam usados Lifan e de outras marcas para manter-se abertos. 

De acordo com Oliveira, esse modelo de negócio é aceito. A condição é que o concessionário não revenda carros novos de outra marca no mesmo espaço. O executivo informa também que a chegada da picape Foison e do X60 implica aumento proporcional de volume: “Se ele vende 30 unidades do X60 por mês, terá de buscar bom número de compradores também para a picape Foison e para o sedã LF 530. Os carros têm públicos diferentes e o concessionário terá de encontrá-los.”, diz Oliveira.




Comentários