Novelis aposta em alumínio reciclado

Novelis usa know-how acumulado no Brasil para reformular sua produção global, com a meta de elevar até o patamar de 80% o percentual de alumínio reaproveitado nos produtos.

Multinacional com atuação em nove países, a Novelis está reorganizando suas operações no Brasil e no exterior para acomodar uma porcentagem crescente de alumínio reciclado em seus produtos. O objetivo da empresa é chegar a 2020 com um percentual médio de 80% de conteúdo reciclado em todos os produtos do seu portfólio, que inclui desde alumínio primário até folhas, chapas e embalagens do metal. A empresa pretende aproveitar em outras partes do mundo o know-how acumulado no país, onde o percentual de reciclagem está em 60%, contra a média de 46% alcançada no fim de março, nas operações globais da Novelis. 

“Com o aumento maciço da reciclagem, poderemos ajudar a Novelis a quase dobrar o volume (de produção) nos próximos oito ou nove anos, assim como cortar nossa emissão de gases do Efeito Estufa pela metade”, explica John Gardner, vice-presidente e diretor executivo de Sustentabilidade. Historicamente, o conteúdo reciclado tinha uma participação em torno de 30% no alumínio produzido. Em 2011, esse percentual estava em 32%. “Estou muito confiante de que vamos chegar a 50% ainda neste ano”, antecipa o executivo. “Os investimentos que fizemos no Brasil são parte dessa história”.

A empresa destinou US$ 106 milhões para ampliação de sua fábrica no município paulista de Pindamonhangaba. Os recursos foram investidos numa linha de pintura de chapas para tampas de latas de bebidas e em outra de reciclagem. Com a expansão, o setor de reciclagem da planta industrial vai praticamente dobrar de capacidade, passando de 200 mil para 390 mil toneladas métricas de alumínio por ano, assim que estiver operando comercialmente. Essa capacidade final de reciclagem equivale a uma economia de 1,8 milhão de toneladas de gases do Efeito Estufa ou quatro milhões de barris de petróleo.

Para assegurar a matéria prima necessária às unidades de reciclagem, a Novelis mantém sete centros de coleta de sucata espalhados pelo Brasil. “Decidimos realmente mudar a estratégia e o modelo de negócios para chegar a um conteúdo reciclado de 80% ou mais, como forma de garantir que teremos essencialmente um produto com baixa emissão de carbono competitivo no longo prazo. Isto é muito importante para os nossos clientes, particularmente na área de embalagens e, também, na de transportes”, diz Gardner.


Continua depois da publicidade


O foco numa operação mais amigável ambientalmente, conforme define o vice-presidente, também está relacionada a aspectos econômicos do negócio. O gasto de energia para fabricar uma lata, por exemplo, a partir de alumínio reciclado é de 5% quando comparado à produção da mesma embalagem a partir do zero. Essa é uma vantagem particularmente interessante no mercado brasileiro. No país, os fabricantes de alumínio têm sido duramente impactados pela alta no custo da energia, decorrente da estiagem prolongada que afeta algumas regiões. 

A redução na emissão de gases do Efeito Estufa chega a 95% quando o metal reciclado é usado no processo produtivo. “No Brasil, estávamos focados até recentemente em latas para bebidas, mas estamos expandindo a reciclagem muito rapidamente para outros produtos de alumínio”, conta Gardner. 

Em nível mundial, a Novelis conta com aproximadamente 11,2 mil empregados e uma receita que atingiu US$ 10 bilhões no ano fiscal terminado em 31 de março de 2014. No Brasil, a Novelis possui atividades de laminação em Pindamonhangaba e Santo André (SP), além de produzir alumínio primário em Ouro Preto (MG). Ao todo, a operação no país engloba cerca de 1.800 funcionários, tendo gerado uma receita de US$ 1,6 bilhão no último ano fiscal.

Tópicos:



Comentários