Dono da CSN diz que Brasil enfrenta risco de recessão inédito

Steinbruch, da CSN: “Está difícil para todo mundo, mas podemos melhorar. Precisamos tomar medidas rápidas”.

Principal acionista da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e presidente interino da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o empresário Benjamin Steinbruch fez, nesta terça-feira (12), pesadas críticas ao que disse ser uma situação inédita de risco de recessão econômica em um ano eleitoral no Brasil.

"Nunca vi, em ano de eleição, perspectiva de recessão tão forte como temos agora", afirmou o dono da CSN e representante da indústria durante a abertura de um congresso organizado pelo Instituto Aço Brasil (IABr) na zona sul da capital paulista.

O executivo disse que os negócios na indústria recuam cerca de 25% a 30% e, na falta de perspectiva de recuperação, o país está sob a iminência do desemprego.

Em discurso perante ao ministro do Desenvolvimento, Mauro Borges - o principal representante do governo federal no evento -, Steinbruch avaliou que não há hoje estímulos para se investir no país, criticando ainda a "ciranda" de juros elevados e alta carga tributária entre os entraves ao desenvolvimento econômico. "Hoje em dia só louco investe no Brasil."

Segundo ele, dificuldades geradas por incertezas em anos de eleição já eram previstas, mas a instabilidade atual tem sido fora do normal mesmo se comparada a outros períodos eleitorais. "Num ano eleitoral, as coisas são mais difíceis por questões políticas. A partir de junho, a gente só pensa no que vai acontecer no ano seguinte, depois da eleição."

Ao falar da retração dos negócios na indústria, Steinbruch lembrou, em especial, a crise das montadoras, que suspenderam pedidos por conta de férias coletivas nos últimos dois meses, o que afetou o faturamento de uma longa cadeia vinculada a esse setor, incluindo as usinas siderúrgicas.

Mais tarde, cercado por jornalistas, o executivo disse que seu discurso retratou a situação de toda a economia e não apenas de seu setor, o de produção de aço. Também reforçou que muitas empresas estão na "iminência de mandar funcionários embora". "Está difícil para todo mundo, mas podemos melhorar. Precisamos tomar medidas rápidas", afirmou, citando a necessidade de retomada do modelo de crescimento baseado no consumo, acrescido por investimentos em infraestrutura. "Todos empreendedores vão investir se tiverem condições", disse.


Continua depois da publicidade


Ao criticar o distanciamento do governo com o setor industrial, o empresário disse que a situação para as empresas está perto do limite e que medidas paliativas não resolvem.

Após a apresentação do presidente da CSN, o ministro do Desenvolvimento, Mauro Borges, reconheceu que país passa por um momento de dificuldade, mas avaliou que a desaceleração da economia brasileira tem sido provocada por uma crise internacional que já dura sete anos. Segundo ele, o impacto dessa crise no país já chegou ao "fundo do poço".

Diante das críticas sobre a desaceleração econômica, o ministro, perante executivos da indústria siderúrgica, destacou o que tem sido feito pelo governo para aquecer a demanda no setor. Nesse ponto, citou os investimentos de R$ 193 bilhões em moradias do Minha Casa, Minha Vida e o programa de concessões que deve injetar R$ 200 bilhões em infraestrutura de logística, como rodovias, portos e ferrovias.

Nos painéis que se seguiram às apresentações de Steinbruch e Borges, problemas como as deficiências de infraestrutura, o custo da energia e, principalmente, o sistema de incidência de impostos em cadeia do país voltaram a ser alvo de críticas dos empresários que participaram ontem do congresso do IABr.

Tópicos:



Comentários