São Paulo salva indústria de queda mais intensa em maio

A indústria brasileira em maio foi “salva” de um resultado bem pior pela indústria de São Paulo. O aumento de 1% na produção paulista em relação a abril ajudou a diminuir a intensidade do recuo de 0,6% do setor no país, na mesma comparação. Esta foi a maior queda da indústria nacional no ano. “Poderia ter sido muito pior [sem a alta em São Paulo]”, avaliou o economista do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Rodrigo Lobo, ao comentar os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional (PIM-PF Regional).

O especialista descartou, contudo, que o saldo positivo de São Paulo, maior parque industrial do país, seja um sinal de retomada na indústria brasileira nos próximos meses, porque o quadro regional mostra outros sinais preocupantes. “No cenário regional, sete dos 14 locais mostraram queda na atividade e sete mostraram aumento”, disse. “Pode parecer um cenário equilibrado, mas é possível perceber que a magnitude das quedas foi muito mais intensa do que a das elevações”, disse. “Somente quando houver aumentos mais disseminados entre as regiões pode haver um sinal de recuperação mais consistente na indústria brasileira”, avaliou.


Continua depois da publicidade


No caso específico de São Paulo, a taxa positiva em maio também não indica retomada sustentável no parque paulista, que representa 33% da atividade industrial brasileira, na avaliação do especialista. O Estado continua a mostrar taxas negativas em outras comparações. “No acumulado do ano até maio, a indústria local acumula queda de 4,7%, a mais intensa entre as regiões, nessa comparação”, observou ele. O técnico lembrou que a localidade continua a sofrer o impacto do mau momento da indústria automotiva, cuja atividade representa 16,5% do total da produção industrial paulista, e tem sofrido sucessivas quedas na fabricação e nas vendas nos últimos meses.

Boas performances em três segmentos aliviaram o impacto negativo da indústria automotiva em maio em relação a abril. Sem mencionar variações, Lobo informou que houve aumentos na produção, em São Paulo, de produtos alimentares; coque, derivados de petróleo e biocombustíveis; e equipamentos de informática, produtos eletroeletrônicos e óptica – principalmente tablets, no caso desse último. O técnico explicou que esses segmentos representam, respectivamente, 12%; 11,9%: e 3,2% do total da indústria paulista – ou seja, unidos, têm mais peso do que a indústria automotiva como um todo no Estado.

A boa performance nessas atividades também contribuiu para que a indústria paulista subisse 9,9% em maio na comparação com dezembro do ano passado – quando a atividade industrial paulista caiu 11,5% em relação a mês imediatamente anterior. 

Porém, Lobo acrescentou que esse comportamento também não é sinal de retomada. Segundo ele, o parque industrial paulista ainda é a influência mais expressiva no acumulado do ano da produção industrial do país - que mostra queda de 1,6% até maio.

Tópicos:



Comentários