Fabricante de estruturas já vive ressaca da Copa e demite

Bem antes da Copa do Mundo começar, os fabricantes de estruturas metálicas já viviam uma ressaca de anos de preparação para construção de estádios, vias de acesso e obras de mobilidade urbana. As encomendas não vieram como o esperado e, para piorar, desde meados de 2013 o setor padece com a desaceleração da economia do país. Com carteiras de pedidos magras, empresas já vêm demitindo desde o início do ano.

A Associação Brasileira da Construção Metálica (Abcem) estima em 10% a 15% o tamanho do corte de pessoal sobre o total da mão de obra empregada no setor - que é de cerca de 50 mil. A entidade, diante desse cenário, já trabalha com previsão de declínio de 20% no faturamento do setor no ano, para R$ 16 bilhões.

"Vivemos o fim do ciclo de obras da Copa do Mundo, encerrado no começo deste ano, aliado à suspensão de projetos novos e de expansão em vários setores industriais e ao adiamento de diversas obras de infraestrutura", afirma Luiz Carlos Caggiano Santos, presidente da Abcem e vice-presidente da Brafer, uma das principais empresas do setor, com unidade fabril em Araucária (PR).

"Muita gente ainda trabalhou à plena carga em 2013, mas neste ano as coisas se deterioraram de vez. Já verificamos uma ociosidade de até 40% na maior parte das empresas", afirma Santos. O grupo Codeme, de Minas Gerais, foi obrigado a demitir mais de 200 pessoas nos meses de maio e junho.

O setor de estruturas metálicas tem forte atuação em obras industriais - de grande, médio e pequeno porte - e de infraestrutura. Entre seus clientes estão os setores de mineração, siderurgia, celulose e papel, óleo e gás, açúcar e álcool, shopping centers, centros de distribuição, torres de transmissão de energia, grandes galpões e pequenos e grandes edifícios, entre outros.

A Copa surgiu como uma grande oportunidade de elevar os negócios, mas a demanda de pedidos para montagens e cobertura dos estádios e de projetos ligados ao evento não vieram como o esperado. Uma relevante fatia das encomendas, com benefícios e subsídios tributários do governo, acabou em mãos de fabricantes do exterior, diz o dirigente da Abcem.


Continua depois da publicidade


Nas obras dos estádios, afirma Santos, as fabricantes de estruturas metálicas do país fizeram menos da metade. "Os importados, com alíquotas de importação zeradas e isenção de ICMS, ganharam a obra de cobertura do Maracanã e tudo dos estádios de Brasília, Fonte Nova (Salvador), Arena Pernambuco, Manaus, Das Dunas e de Fortaleza", lista o dirigente. Ele diz que os responsáveis pelas obras trouxeram tudo pronto de Portugal, Espanha e China.

Segundo Santos, sobraram para as empresas brasileiras o Beira-Rio (Porto Alegre), a Arena da Baixada (Curitiba), o Itaquerão (São Paulo), as arquibancadas do Maracanã, a reforma do Mineirão e a Arena Pantanal (Cuiabá-MT). "Não era possível competir, com os custos que temos aqui, com o custo chinês", afirma.

Conforme dados da Abcem, compilados com números do IBGE, em abril a fabricação de estruturas metálicas registrou queda de 19,5%, frente ao mesmo mês do ano passado. No acumulado de um ano, desde maio de 2013, o desempenho foi negativo em 13,5%. Ao mesmo tempo, a atividade industrial do país como um todo apresentou desempenho 0,8% positivo.

A construção metálica demandou no ano passado 2 milhões de toneladas de aço, entre produtos planos, longos e especiais, e obteve receita de R$ 20 bilhões, conforme a Abcem. A previsão é que o consumo neste ano caia para 1,6 milhão de toneladas, voltando ao patamar de 2010.

O setor se abastece com aços da Usiminas, CSN, Gerdau, ArcelorMittal, Votorantim e outras siderúrgicas locais. Os principais fabricantes de estruturas, de um universo de centenas espalhadas pelo país, são Medabil, Codeme, Metasa, Brafer, Usiminas Mecânica, ICEC, Alufer e Emtec. Cerca de 80% das empresas estão situadas nas regiões Sudeste e Sul.

No caso da Brafer, explica o vice-presidente da companhia, estima-se queda de 10% no faturamento deste ano, ficando em R$ 320 milhões. No início do ano, a empresa tinha 1,2 mil funcionários e foi uma das que fizeram demissões. "Nosso faturamento vai voltar ao nível de 2012 e estamos trabalhando com margens apertadas para garantir pedidos - estão caindo de 10% para 3% a 4%", afirmou Luiz Carlos Santos.

Conforme o executivo, as perspectivas para 2014 e 2015 "são péssimas" para o setor. "Demissões e paralisações de investimentos estão e vão continuar acontecendo", afirma. Para ele, um dos principais problemas do país é a falta de confiança dos investidores na política econômica do governo.

Santos informa que durante quatro anos, desde 2010, a indústria de estruturas metálicas cresceu em faturamento e capacidade produtiva em torno de 10% ao ano, mantendo uma utilização de 85% da capacidade instalada do seu parque fabril. "Até meados de 2013 estávamos bem otimistas e prevíamos expansão para este ano e 2015 acima da marca de 10% anuais", afirma.

Com as obras da Copa caminhando para o fim, todas as expectativas eram depositadas em projetos de infraestrutura, para o setor industrial e na atividade da indústria bens de capital e consumo. "Logo depois percebemos que o cenário mudou drasticamente", diz o executivo.

Quanto às encomendas de estruturas metálicas para as novas concessões - de aeroportos e rodovias -, segundo o executivo, elas levam um bom tempo para se efetivarem pelos novos operadores. "Por outro lado, n indústria não vemos projetos de crescimento, com raras exceções".




Comentários