Fabricante de máquinas espera nova compra do governo

A expectativa das fabricantes é a de que o programa seja ampliado para máquinas rodoviárias, como rolos compactadores, vibro acabadoras, fresadoras de asfalto, niveladoras e patrulhas agrícolas de tratores.

As fabricantes de máquinas estão com grandes esperanças de que o governo federal anuncie uma ampliação do programa de distribuição dos equipamentos aos pequenos municípios brasileiros, com até 50 mil habitantes.

Desde 2012, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) vem entregando aos prefeitos pás carregadeiras, motoniveladoras e retroescavadeiras. Desde o ano passado, doa também caminhões-caçamba. E, em alguns locais onde há estiagem, o programa inclui caminhões-pipa.

Agora, a expectativa das fabricantes é a de que o programa seja ampliado para máquinas rodoviárias, como rolos compactadores, vibro acabadoras, fresadoras de asfalto, niveladoras e patrulhas agrícolas de tratores.

O valor dos investimentos do governo no programa soma R$ 4,9 bilhões, segundo levantamento do MDA feito a pedido do Valor PRO, serviço de tempo real do Valor. Do total, R$ 3,8 bilhões são referentes à 14,7 mil máquinas já entregues até 17 de abril, e R$ 1,1 bilhão à máquinas que ainda serão doadas.

Executivos do setor afirmaram que o governo já sinalizou que pretende continuar com o programa e ampliar o tipo de equipamentos. No entanto, estão cientes de que é preciso aguardar as eleições e o próximo governo para a continuidade da iniciativa.

A entrega das máquinas foi uma iniciativa promovida pelo MDA, como parte do conjunto de ações estruturantes da segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). O objetivo era garantir que municípios que não têm como pagar pelas máquinas pudessem receber os equipamentos para construir obras de infraestrutura hídrica, armazenamento de água e fazer a recuperação e abertura de estradas vicinais. Com isso, as prefeituras poderiam criar melhores condições para escoamento da produção da agricultura familiar.

O governo federal pretende entregar as máquinas que já fazem parte do programa até o meio deste ano. Até 17 de abril, foram entregues 14,706 unidades e, no total serão 18.071 equipamentos, doados para 5.061 municípios, onde vive 83% da população rural brasileira.


Continua depois da publicidade


Segundo o MDA, as prefeituras já receberam 5.071 retroescavadeiras, que custaram R$ 799,8 milhões; 3.593 motoniveladoras, compradas por R$ 1,4 bilhão; 1.089 pás carregadeiras, com aporte de R$ 338,1 milhões; 3.522 caminhões-caçamba (R$ 847,0 milhões); e 1.431 caminhões-pipa (R$ 375,1 milhões). O governo afirma que pretende entregar as máquinas restantes (3.365 unidades) até o meio deste ano.

Os fornecedores criticam, porém, o fato de os preços terem sido muito baixos, dada a forte concorrência nas licitações. "As compras do MDA foram extremamente bem sucedidas para o MDA", afirmou, em tom de brincadeira, um executivo do setor.

Ainda assim, os fabricantes conseguiram com as encomendas manter o nível de suas operações fabris. E, em um momento fraco para a indústria brasileira de máquinas e equipamentos, conseguiram garantir volumes razoáveis de receitas.

A New Holland Construction, uma das maiores fabricantes de máquinas de construção do país, vendeu 4.001 unidades no país em 2013, segundo afirmou ao Valor o diretor para a América Latina, Nicola D'Arpino. Do total, 870 foram para o MDA.

"Conseguimos fazer nossa fábrica girar, não tivemos que demitir funcionários", disse Felipe Cavalieri, da BMC, que afirmou ter oferecido preços próximos ao de custo para ficar entre os fornecedores do governo.

Neste ano, mesmo com as entregas para o MDA, a previsão da entidade que representa o setor de máquinas e equipamentos no Brasil, a Abimaq, é de um faturamento apenas próximo ao de 2013. Uma nova encomenda do governo poderia dar mais força ao setor de máquinas de construção e rodovias no ano que vem.

De acordo com a Abimaq, as vendas do setor somaram R$ 79 bilhões em 2013, considerando não apenas construção, mas todos os segmentos de máquinas, como para serviços, energia, óleo e gás, entre outras.




Comentários