Uruguai busca intensificar a parceria com empresa mineira

Uma das áreas de interesse do país vizinho é o setor energético, principalmente de fontes renováveis, como a eólica e o biogás. O que pode favorecer o setor de bens de capital mineiro.

O embaixador Extraordinário do Uruguai no Brasil, Carlos Daniel Amorín Tenconi, reuniu-se com empresários mineiros na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). O encontro teve como objetivo a aproximação entre os dois países, visando uma futura busca de parcerias.
 
Tratou-se, segundo o embaixador, de uma primeira visita de cortesia, para que o Uruguai possa conhecer um pouco mais de Minas Gerais e vice-versa. "Não temos muito conhecimento sobre o Estado e também estamos aqui para apresentar a Minas as várias possibilidades que nosso país oferece. Ficar mais próximo do Brasil", afirmou.
 
Uma das áreas de interesse do país vizinho é o setor energético, principalmente de fontes renováveis, como a eólica e o biogás. O que pode favorecer o setor de bens de capital mineiro, já que o Uruguai pretende importar máquinas e equipamentos para este segmento.
 
"A ideia é formar parcerias complementares entre as empresas. Fazer uma integração produtiva", disse o diplomata. No mês que vem, está prevista a visita do ministro da Indústria, Mineração e Energia do Uruguai, Roberto Kreimerman, a Minas Gerais para tratar de negócios.
 
A notícia do interesse dos uruguaios pela indústria de bens de capital mineira pode ser um alento para os fabricantes de máquinas e equipamentos destinados à indústria de óleo e gás, que vêm sofrendo com a queda da demanda devido à diminuição dos investimentos da Petrobras registrada no exercício passado.
 
Segundo o diretor regional da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Marcelo Luiz Veneroso, que atua neste segmento, praticamente não há pedidos em carteira para 2014. "Novas encomendas não estão acontecendo, estamos agora finalizando os pedidos feitos há dois anos", afirmou. Para Veneroso, mesmo não se sabendo ainda o potencial de negócios que existe entre os dois países, é "uma notícia animadora".
 
Atualmente, segundo o Perfil Sócio-Econômico feito pelo Centro Internacional de Negócios (CIN-MG), do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), os principais produtos exportados por Minas Gerais para o Uruguai em 2013 foram: materiais de transporte (veículos automotores, tratores e suas partes); produtos metalúrgicos (obras de ferro e aço); alimentos; materiais elétricos/eletrônicos; produtos químicos; máquinas e instrumentos mecânicos e produtos têxteis. Já o Estado importa do país vizinho, principalmente, alimentos (leite e laticínios), borracha, produtos químicos (plástico e sabões) e material de transporte (veículos).
 
Há apenas uma indústria uruguaia instalada em Minas, a Mercomolas Indústria de Molas, que atende o setor automotivo. Não há nenhuma empresa mineira no Uruguai.
 
No ano passado, a revista britânica "The Economist" escolheu o Uruguai como o país de 2013. De acordo com Tenconi, as importantes reformas de cunho social realizadas no país foram fundamentais para que ele recebesse esse título. Entre elas, está a legalização e regularização da venda e consumo da maconha e a legalização do casamento gay.
Tópicos:



Comentários