Mantega: corte do orçamento garantirá estabilidade

Mantega: corte do Orçamento garantirá estabilidade

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira, 28, que ainda não está definido o valor do corte do Orçamento de 2014. No entanto, ressaltou que será fixado de modo que a solidez fiscal e a estabilidade da dívida líquida sejam mantidas. De acordo com apuração do Estado, o governo ainda sonda o mercado para definir o tamanho desse corte. A meta fiscal a ser estabelecida deve ficar na casa dos 2% do PIB.

Mantega disse também aos jornalista que a medida do corte no Orçamento será divulgada em fevereiro, mas preferiu não dar previsão de data. Segundo ele, o prazo de divulgação depende das discussões internas no governo. As afirmações foram feitas no momento em que o ministro chegou ao Ministério da Fazenda.
 
O governo, disse o ministro, tem conversado com o mercado, como sempre fez. "Nós sempre conversamos com o mercado e com vários segmentos da economia. Não tem novidade", afirmou.
 
Questionado sobre a volatilidade do câmbio, Mantega considerou que ela é resultado de movimentos de acomodação, que podem ser transitórios. "Como temos visto recentemente, temos tido vários momentos de volatilidade". Segundo Mantega, dois fenômenos levam ao período de volatilidade cambial vivido agora. Um deles é a política do Federal Reserve de redução dos estímulos.
 
"O Fed pode tomar decisões que façam mais um corte nos estímulos que estão dando. Isto causa um pouco de instabilidade no mercado", afirmou. Outro fator, para Mantega, é a perspectiva para a economia da China, que deu sinais de que poderia estar com acomodação do crescimento, o que afeta moedas dos países emergentes.
 
"Isso leva à desvalorização das moedas em função das commodities. Quando a China cresce menos e consome menos commodities, como minério de ferro e cobre, isso afeta os mercados."
 
"Alguns países sofrem mais, outros, menos. O Brasil tem posição sólida, porque tem muitas reservas e tem divida externa pequena. Na verdade, como temos mais reservas que nossa dívida, nossa situação é estável", defendeu.
 
Sobre se a situação da Argentina contamina outros emergentes, Mantega disse que aquele país também sofre com a volatilidade.
 
"É uma volatilidade que perpassa todos os países", disse.
 

 

 


Por Laís Alegretti e Renata Veríssimo/ Agência Estado

 

Tópicos:



Comentários