Apesar dos desafios, indústria de máquinas mantém-se em destaque

A expectativa da Abimaq é que o setor consiga aprovar junto ao governo o regime “Inovar Máquinas”, de incentivo à agregação de valor de tecnologia as máquinas produzidas no Brasil.

Sem dúvida, a indústria de bens de capital brasileira é uma das mais tradicionais e resilientes do país e surpreende a economia, ano após ano, conquistando novos clientes e garantindo qualidade, mesmo com os desafios que encontra. A Feira Internacional da Mecânica, que será realizada de 20 a 24 de maio, chega em 2014 a sua 30ª edição se mantendo como reflexo dessa força. Para Carlos Pastoriza, secretário da presidência da Abimaq, Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, entidade apoiadora do evento, 2013 foi um ano desafiador para o setor de bens de capital. “Recuperamos um pouco da produção no segundo semestre. As razões são os suspeitos de sempre: custo Brasil, taxa de câmbio e a profusão de regimes tributários com viés importador”.
 
Mesmo assim, o empresário exalta as conquistas da entidade neste ano, como a prorrogação da linha PSI do BNDES e a desoneração da folha de pagamento para as indústrias. Ainda de acordo com a Abimaq, de janeiro a setembro de 2013, o consumo de produtos dessa indústria foi de R$ 90,909 bilhões, 7,1% superior ao mesmo período de 2012. Mesmo eliminando o efeito cambial, o resultado permanece positivo com alta de 1,2%. Em setembro as exportações chegaram ao valor de US$ 1 bilhão. Ao longo do ano até setembro, as exportações corresponderam a 32% do faturamento.
 
Fato é que a indústria brasileira não deve em qualidade para nenhuma parte do mundo. Prova disso são os principais clientes importadores de produtos nacionais. “Entre nossos principais destinos das exportações, apesar das dificuldades, estão Estados Unidos, Alemanha, Itália, ou seja, países altamente industrializados e com tradição na produção de maquinário”, diz Pastoriza. Em setembro de 2013, os Estados Unidos voltaram a ocupar a segunda posição no ranking dos principais compradores de máquinas e equipamentos do Brasil.
 
“Temos nos empenhado para que o Inovar Máquinas saia rapidamente, o que compensaria a falta de isonomia. A Abimaq está concentrada no esforço de reunir dados para o governo federal”, explica o executivo. “Contudo, neste ano, alguns segmentos tiveram comportamento bom, e destaco aqueles de implementos agrícolas e o setor de equipamentos para máquinas rodoviárias. No campo, as commodities têm apresentado preços interessantes, e o agricultor consegue comprar mais”. Em meio aos esforços para fortalecer a indústria nacional, Pastoriza exalta a importância da Feira da Mecânica. “Ela é há muitas décadas a principal feira do setor América Latina, e é imperativa para todas as empresas que têm interesse no mercado brasileiro, pois movimenta milhões. Para a Abimaq, é uma forte aliada. Quanto maior a crise, mais importante é a feira”.
 
Em 2012, a Mecânica atingiu a marca de duas mil empresas expositoras e contemplou cerca de 25 setores da indústria, entre eles as áreas de automação e controle de processos, equipamentos para tratamento ambiental e refrigeração, solda e tratamento de superfícies, máquinas-ferramenta, entre outros. Lotados, os corredores do Anhembi, onde a feira acontece, receberam 109 mil visitantes únicos, número que bateu o recorde de 2010, de 105.851 visitantes, vindos de 60 países, entre eles Argentina, EUA, Itália, Alemanha, Espanha, França, Suíça, Canadá, Chile, Peru, Venezuela e Portugal. “A Mecânica representa a principal ferramenta de marketing e vendas para a indústria brasileira. Todo nosso empenho na organização desse evento é para construir um amplo relacionamento entre o expositor e os compradores do setor”, afirma Liliane Bortoluci, diretora da feira.
 
Serviço:
 
Data: 20 a 24 de maio de 2014
Local: Parque de Exposições do Anhembi 
Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo – SP – Brasil
Tópicos:



Comentários