Desafios da indústria mineira estão na pauta do Legislativo

Frente parlamentar criada no Legislativo estadual visa dar apoio às fábricas para reivindicar medidas ao setor público.


Continua depois da publicidade


Pressionada pelo fraco desempenho da produção e as perspectivas de um 2014 também marcado por baixo crescimento da economia, a indústria mineira ganha aliados no Legislativo estadual para reivindicar medidas ao setor público capazes de contornar as dificuldades  das empresas. A briga das empresas será reforçada pela Frente Parlamentar da Indústria Mineira, movimento criado e presidido pelo deputado estadual Dalmo Ribeiro (PSDB), com lançamento marcado para a próxima quinta-feira na Assembleia Legislativa. Suprapartidário, o grupo começa a trabalhar com adesão superior ao número mínimo necessário de parlamentares para acolhimento da iniciativa na Casa, que se aproximava de 40 deputados no fim da tarde de ontem, e o apoio do presidente, Dinis Pinheiro.
 
A frente conta ainda com a participação ativa de pelo menos duas instituições de peso do setor, a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Mais do que acolher as bandeiras defendidas pela indústria, Dalmo Ribeiro diz que há duas metas básicas: apresentar propostas unificadas e cobrar soluções dos governos estadual e federal, envolvendo vasta temática que diz respeito à produção, da briga por mais agilidade dos órgãos ambientais à redução da carga tributária.
 
Algumas proposições em discussão ou que se tornaram objeto de projetos de lei tanto na Assembleia mineira quanto no Congresso Nacional serão analisadas no âmbito da frente parlamentar. A proximidade com o fim do ano legislativo, de acordo com o deputado, não vai frustrar a iniciativa. “Temos pressa para trabalhar e não vamos esperar o ano que vem. Queremos fortalecer a indústria e os empregos gerados pelo setor”, afirma. As propostas serão colhidas por meio de fóruns mensais de discussão que a frente vai promover a partir de novembro, abordando cada setor da atividade industrial e os problemas enfrentados pelas empresas, seja aqueles relacionados ao desempenho das fábricas, seja os decorrentes das deficiências da infraestrutura logística do país.
 
Exemplo
 
Para o presidente da Fiemg, Olavo Machado Júnior, o engajamento dos parlamentares é importante pela possibilidade de abrir caminho efetivo de soluções legais para os pleitos do setor, servindo de exemplo para os deputados federais. “O que nós não temos é agilidade de decisões no país, principalmente quando elas dependem dos governos e do acesso ao crédito”, disse. 
 
A Abimaq já vinha conduzindo uma campanha nacional em defesa de mecanismos de proteção ao setor, principalmente diante da invasão dos produtos chineses no mercado brasileiro. O avanço que a instituição espera da frente dos deputados estaduais será a apresentação de soluções discutidas com a indústria no Legislativo, destaca o diretor da regional mineira da Abimaq, Henrique Freitas. “Em Minas, sofremos efeitos preocupantes porque os poucos projetos de investimentos das indústrias de base, da mineração e da siderurgia têm usado máquinas importadas, o que traz prejuízo às fábricas”, afirma Freitas.
 
Por Marta Vieira/ Estado de Minas
Tópicos:



Comentários