Criação de vagas tem o pior julho em 10 anos

Criação de vagas tem o pior julho em 10 anos

Pela primeira vez em 10 anos, o Brasil não via um mês de julho tão fraco para o mercado de trabalho com carteira assinada. O Ministério do Trabalho e Emprego informou nesta quarta-feira (21) que foram criadas 41,5 mil vagas formais no mês passado, já descontadas as demissões do período.
 
Até então, a pior marca tinha sido verificada em 2003, quando o saldo foi de 37,2 mil postos. Incluindo as contratações enviadas pelas empresas ao governo fora do prazo, a geração naquela ocasião chegou a 57 mil.
 
O resultado minguado, de queda de 77% ante julho do ano passado, surpreendeu economistas do mercado financeiro, setores produtivos e até o governo, que não costuma dar o braço a torcer para constatar o enfraquecimento da atividade.
 
"O número não é ótimo. Ótimo seria criar 1 milhão de vagas", disse o ministro Manoel Dias, acrescentando que a situação brasileira é melhor que lá fora. Dias disse não ter elementos para explicar o enfraquecimento no número de novas carteiras de trabalho assinadas em julho e comentou que a saída é "torcer" para que agosto apresente melhor desempenho. Ele também abandonou a projeção de criação de 1,4 milhão de empregos formais em 2013, apresentada até o mês passado. Até julho, o saldo ajustado está em 907 mil novas vagas, a menor marca para o período desde a crise de 2009.
 
"Nem eu nem ninguém tem condições de prever números do ano", justificou o ministro, alegando que os economistas também projetavam um número maior de vagas em julho. De acordo com o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, a previsão média era de 100 mil novos postos.
 
Agricultura
 
O setor que mais ajudou a sustentar o resultado do mês passado foi a agricultura, com a criação de 18,1 mil postos de trabalho. No setor de serviços, as contratações superaram as demissões em 11,2 mil vagas e, na construção civil, em 4,9 mil. No comércio, ainda houve expansão (1,5 mil), mas fraca em relação ao seu histórico.
 
Na administração pública, houve estabilidade (55 novos postos), mas serviços industriais de utilidade pública (-1,3 mil) e extração mineral (-236 postos) fecharam postos.
 
Para Manoel Dias, os números do emprego estão de acordo com outras taxas da economia. "Eu não fiquei desapontado, porque nossa realidade é de um PIB de 1% ou 2%. Não é um número que eu gostaria de divulgar, mas é o que temos com um PIB de 1% ou 2%", disse ele no início da entrevista.
 
Momentos depois, ao ser questionado de onde havia tirado esses números, já que oficialmente o governo trabalha com taxas maiores, Dias disse que já "havia lido" sobre essas projeções, mas valiam ainda os números do Ministério da Fazenda, que espera 3% de crescimento, e do Banco Central, que estima 2,7%. "Quem sou eu para divergir do governo? A Fazenda é que fala sobre isso", disse.
 
Outra mudança de opinião do ministro ontem (21) foi sobre a avaliação do resultado em si. Depois de falar que o saldo de julho não preocupava o governo, o ministro adotou nova versão. "Preocupante sempre é, na medida em que você quer cada vez mais crescer, mas o resultado representa o momento da economia que estamos vivendo.
Tópicos:



Comentários