Foton desiste de fábrica no Rio e vai para o Sul

Grupo anunciou projeto de R$ 250 milhões para produzir caminhões da marca chinesa.

Pouco mais de um mês após anunciar a construção de uma fábrica de caminhões no Rio de Janeiro, a Foton Aumark, empresa do ex-ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros, anunciou a transferência do projeto, orçado em R$ 250 milhões, para Guaíba (RS).
 
“Fui comunicado ontem à noite (segunda-feira) da decisão de não trazer a fábrica para o Rio e hoje (ontem) fui surpreendido pelo novo anúncio”, disse o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico do Rio, Julio Bueno.
 
Mendonça de Barros assinou na tarde desta terça-feira (13) o protocolo de intenções com o governador Tarso Genro (PT). “Sou secretário há 11 anos (sete deles no Rio) e essa foi a coisa mais insólita que aconteceu comigo. Estou perplexo” disse Bueno. O Rio seria sócio do projeto, que também terá até 80% do investimento financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).
 
Mendonça de Barros é representante no Brasil da chinesa Foton, uma das maiores fabricantes de caminhões da China, que não participa do investimento. Na sexta-feira, Bueno viajaria à China com uma comitiva para conhecer o grupo e falar com fornecedores de peças.
 
O vice-presidente da Foton Aumark, Orlando Merluzzi, disse que o grupo desistiu do Rio por não ter encontrado terreno que viabilizasse o empreendimento. “Nosso prazo de definição tinha se esgotado e a matriz estava preocupada”, afirmou.
 
Segundo Merluzzi, a urgência na definição da fábrica, inclusive quando foi anunciada para o Rio, era o prazo exigido para a entrega de projetos ao Ministério do Desenvolvimento para participar do Inovar-Auto, programa que prevê cotas de importação sem imposto extra para quem produzir localmente.
 
A fábrica de caminhões ficará no terreno destinado à Ford no fim dos anos 90, A empresa, porém, optou pela Bahia depois de perder benefícios fiscais.
 
A Foton negociou a fábrica com o governo gaúcho por oito meses mas, em 8 de julho, anunciou que ficaria no Rio. Estava atualmente escolhendo uma área em Itatiaia ou Seropédica.
 
Um dos avanços oferecidos pelo governo gaúcho foi a garantia de empréstimo-ponte de 11$ 40 milhões pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banri-sul) para o início das obras.
 
O projeto é similar ao anunciado no Rio, mas haverá atraso  de alguns meses, segundo Mer-luzzi. A fábrica terá capacidade para 21 mil caminhões ao ano e : 300 empregados. Entrará em operação no início de 2016. Serão produzidos modelos com capacidade de 3,5 até a toneladas.
 
Por Cleide Silva/ O Estado de S. Paulo



Comentários