Desembolsos da Finep crescem 60% no semestre

Depois da agroindústria, os setores que mais receberam crédito da Finep no período foram automotivo e transportes, eletroeletrônico, energia, farmacêutico e máquinas e equipamentos.

O desenvolvimento de melhorias internas e o lançamento do programa Inova Empresa, em março, que prevê desembolsar R$ 32 bilhões até 2014, impulsionou o crescimento dos desembolsos da Financiadora de Estudos e Pesquisas (Finep). No primeiro semestre deste ano, a instituição liberou R$ 589,64 milhões em financiamentos, valor 60% superior ao desembolsado no mesmo período do ano passado.
 
No período, as contratações cresceram 185%, para R$ 1,14 bilhão. O desempenho da Finep será divulgado nesta quarta-feira (24), data que marca os 46 anos da instituição, ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Cláudio Guimarães, diretor de administração e finanças da Finep, disse ao Valor que trabalha com a meta de desembolsar, em 2013, entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões, patamar poderá ser mais de 100% superior ao volume de 2012, de R$ 1,8 bilhão. A Finep também planeja contratar até R$ 5,5 bilhões em crédito em 2013. No ano passado, foram R$ 2,7 bilhões.
 
Neste primeiro semestre, o setor da agroindústria foi o que mais recebeu recursos, totalizando R$ 84,10 milhões, alta de 343% frente mesmo período de 2012. O valor representa 14% de todas as liberações nos primeiros seis meses do ano.
 
Depois da agroindústria, os setores que mais receberam crédito da Finep no período foram automotivo e transportes, eletroeletrônico, energia, farmacêutico e máquinas e equipamentos. Juntos, esses setores responderam por R$ 393, 6 milhões, 67% do total desembolsado. Em relação às contratações, o setor líder no semestre foi o eletroeletrônico, com R$ 89 milhões em valor contratado.
 
Guimarães atribuiu o forte crescimento dos desembolsos e das contratações ao lançamento, em março, do programa Inova Empresa. O programa prevê a articulação de diferentes ministérios e apoio financeiro por meio de crédito, subvenção econômica, investimento e do financiamento a instituições de pesquisa.
 
A previsão expressiva de crescimento dos valores contratados, que podem dobrar neste ano, está também apoiada em uma estratégia da Finep de reduzir o tempo que a instituição leva para avaliar os projetos que são cadastrados junto à instituição para que possam ser enquadrados como contratados. A Finep fará isso "sem perder em qualidade e em segurança", frisou o diretor.
 
De acordo com Guimarães, até 2011, a Finep levava cerca de 212 dias para analisar projetos. Em 2012, o tempo médio foi reduzido para 120 dias. A meta agora, é que a partir de agosto a Finep leve até 30 dias para fazer essa avaliação. "Estamos inovando para dentro", declarou Guimarães.
Tópicos:



Comentários