Fiat: investimento em Pernambuco soma R$ 7 bi

Aporte envolve parque de fornecedores. R$ 5,2 bilhões virão do BNDES, Sudene e Banco do Nordeste

Somarão R$ 7 bilhões os investimentos da Fiat e alguns de seus fornecedores na nova unidade industrial que está em construção em Goiana, Pernambuco, segundo divulgou a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), que na terça-feira (22), aprovou sua parte no financiamento do empreendimento. O Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE), gerido pela Sudene, irá emprestar à Fiat R$ 1,96 bilhão, e o Banco do Nordeste, por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), colocará mais R$ 888,3 milhões na operação. O BNDES já havia aprovado, em janeiro passado, R$ 2,4 bilhões. Com isso, R$ 5,2 bilhões dos recursos a serem investidos em Goiana virão de fontes públicas. 

De acordo com informações da Sudene, os recursos do FNDE vão financiar 72,66% das obras civis da fábrica de automóveis, 100% das obras civis do parque de fornecedores e 100% das máquinas compradas no País. O financiamento do FDNE corresponde a 27,77% do investimento total – é a segunda maior operação financiada pelo Fundo; a primeira é a Ferrovia Transnordestina. Somando também os aportes do FNE, os fundos regionais de financiamento do Nordeste representam 40,36% do total a ser investido. A superintendência informou ainda que a Fiat colocará R$ 1,4 bilhão em recursos próprios. 
 
Além da linha de produção de automóveis com capacidade para 250 mil unidades/ano, a nova planta industrial da Fiat incluirá fábrica de motores, campos de provas, centros de desenvolvimento tecnológico e de capacitação profissional. Segundo a Sudene, durante a fase de construção do complexo, serão gerados cerca de 7 mil empregos. Quando entrar em operação, a partir de 2015, a Fiat deverá empregar 4,8 mil pessoas diretamente, e sua cadeia de suprimentos outras 12 mil. O empreendimento também pode atrair um polo siderúrgico para a região.
 
Até agora, a Fiat informou que a fábrica de automóveis consumirá R$ 4 bilhões, e a planta de motores mais R$ 500 milhões. Os R$ 2,5 bilhões restantes para completar os R$ 7 bilhões informados pelam Sudene, portanto, deverão ser direcionados às outras instalações do complexo industrial de Goiana, incluindo também empreendimentos de fornecedores como a Magneti Marelli, pertencente ao Grupo Fiat, que já confirmou a instalação de unidades de produção em Pernambuco, das divisões de componentes plásticos, conjuntos de suspensão e sistemas de exaustão de motores (escapamentos e seus agregados). 
 
No início de maio, o Grupo Fiat aumentou o total e o prazo de seu programa de investimentos no Brasil, de R$ 10 bilhões de 2011 a 2014 para R$ 15 bilhões no período até 2016, incluindo as diversas empresas controladas pela companhia.



Comentários