Bancos de montadora captarão até R$ 2 bi

O Banco Volks deve levantar um total de R$ 1,5 bilhão de investidores no país.

Os bancos ligados a montadoras seguem ativos no processo de captação de recursos no mercado local. O Banco Volkswagen e a RCI Brasil, instituição financeira ligada às montadoras Renault e Nissan, devem levantar até R$ 2 bilhões de investidores nos próximos meses, conforme apurou o Valor.

As instituições intensificaram o processo de diversificação das fontes de recursos a partir do segundo semestre de 2011, com o agravamento da crise externa. Os bancos de montadora também precisaram ampliar as captações com o aumento na demanda por empréstimos diante da retração dos bancos comerciais em razão do aumento na inadimplência.
 
O Banco Volks deve levantar um total de R$ 1,5 bilhão de investidores no país. A maior parte dos recursos virá da venda de recebíveis para um fundo de investimento em direitos creditórios (Fidc), de R$ 1 bilhão. A instituição realizou uma operação semelhante no ano passado, no mesmo valor. A nova emissão deve ser coordenada pelos bancos Santander e Itaú BBA.
 
O banco ligado à montadora alemã também pretende captar até R$ 500 milhões em uma oferta pública de letras financeiras, título de dívida com características semelhantes a debêntures de empresas. Com prazo de dois anos, os papéis renderão juros ao investidor de até 108% da taxa do depósito interfinanceiro (DI). A operação deve ser coordenada por HSBC e Citibank.
 
O estoque de recursos captados pelos bancos com a emissão de letras financeiras é da ordem de R$ 260 bilhões, de acordo com dados da Cetip, que concentra o registro do título. A maior parte das operações, porém, ocorre de forma privada, e concentrada nas grandes instituições.
 
Os bancos de montadora concentraram as poucas ofertas públicas de letras realizadas até o momento. O Banco Volkswagen captou R$ 300 milhões no ano passado em sua primeira captação pública com o instrumento. Os bancos PSA (Peugeot e Citroën) e Mercedes-Benz também realizaram emissões em 2012.
 
A RCI, que já levantou R$ 1,150 bilhão em quatro emissões de letras desde 2011 - a mais recente concluída no início do mês -, pretende captar aproximadamente R$ 500 milhões com a venda de créditos para um fundo de recebíveis, segundo uma fonte. A expectativa é que a operação saia ao longo do segundo semestre.
 
Procurada, a RCI informou que o Fidc poderá fazer parte da estratégia de diversificação do funding da empresa. "Porém, pelo momento, não temos nada de concreto e nenhuma definição sobre este assunto", informa em nota. O Banco Volks não comentou o assunto até o fechamento desta edição.
 
De janeiro a abril deste ano, as captações via fundos de recebíveis somaram R$ 730 milhões, uma forte queda de 64% em relação ao mesmo período de 2012, de acordo com dados da Anbima, associação que representa as instituições que atuam no mercado de capitais. Em fevereiro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) mudou as regras para as emissões de Fidc, a fim de dar mais transparência ao instrumento.
 
Por Vinícius Pinheiro/ Valor Econômico



Comentários