Vendas de máquinas caem 11,5% no primeiro trimestre

O faturamento medido pela Abimaq somou R$ 17,18 bilhões no primeiro trimestre, queda de 11,5% em relação a um ano antes.

Os números do setor de máquinas no primeiro trimestre "frustraram as expectativas", na avaliação do assessor econômico da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Mario Bernardini. Em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (8), ele disse que "os números não permitem mais manter o otimismo". A Abimaq sustentava um discurso mais positivo com relação à retomada da atividade no setor no início de 2013, com uma virada principalmente a partir de março. Contudo, com os números de março, o faturamento medido pela Abimaq somou R$ 17,18 bilhões no primeiro trimestre, queda de 11,5% em relação a um ano antes.

O principal problema não foi falta de demanda, mas o câmbio, disse o assessor. Para ele, a indústria de máquinas perdeu competitividade porque não houve continuidade ao processo de desvalorização do real. O câmbio manteve-se no mesmo patamar, de dois para um, em um ano de inflação de 6%, o que representa perda de competitividade, disse.
 
O levantamento apresentado pela Abimaq mostrou que, enquanto o faturamento da indústria local caiu, o consumo doméstico de máquinas cresceu 4,8% no primeiro trimestre, em relação a igual período de 2012. Na mesma comparação, a importação cresceu 4,9% e a exportação recuou 22,4%.
 
Para Bernardini, como começou a corrida eleitoral, o quadro não deve se alterar. "Não se mexe em time que está ganhando." Ele acredita, porém, que a própria evolução da economia brasileira ajudará o setor a ter algum crescimento de 2013. Isso dependerá da manutenção das condições de financiamento, subsidiado pelo BNDES, e dos investimentos via concessões se confirmarem.



Comentários