AGCO e CNH lideram vendas de máquinas

A produção de máquinas agrícolas cresceu 10,1% de janeiro a abril, para 31,531 mil unidades. As exportações totalizaram 1,557 mil unidades no mês passado, aumento de 7,8% sobre abril de 2012 e de 35,4% ante março.

Ainda que mantenham uma concorrência acirrada, as empresas de máquinas agrícolas ligadas à Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), em sua maioria grandes multinacionais do segmento, continuam a ocupar as mesmas posições nos rankings de vendas de tratores e colheitadeiras no mercado brasileiro.

No caso dos tratores, a ponta permanece com a AGCO, por meio das marcas Massey Ferguson e Valtra, cujas vendas somaram 9,553 mil unidades de janeiro a abril deste ano. Em segundo lugar aparece a CNH (braço de máquinas da Fiat Industrial), dona das marcas Case CNH e New Holland, com 5,095 mil tratores vendidos no período. Em colheitadeiras, a liderança segue com a CNH, com 1,442 mil unidades vendidas nos primeiros quatro meses deste ano, seguida da John Deere, com 1,144 mil unidades, de acordo com os dados da Anfavea.
 
De janeiro a abril, todas as companhias registraram crescimentos significativos - superiores a 20% - na comercialização doméstica ante igual intervalo de 2012. No mercado de colheitadeiras, os incrementos foram ainda maiores, com taxas que variaram de 23,6% a 70,5%.
 
O salto das vendas internas no atacado - tanto em abril quanto no acumulado do ano - reflete algumas coincidências, conforme o presidente da Anfavea, Luiz Moan Yabiku Júnior. Além da supersafra de grãos, começou a moagem de cana no Centro-Sul, o que também estimulou o segmento de máquinas. Mas, para Yabiku Júnior, os juros baixos do Programa de Sustentação do Investimento (PSI, operacionalizado pelo BNDES) também são um grande impulso às vendas.
 
Neste semestre, os juros do programa governamental são de 3% ao ano, ante os 10% que vigoravam de janeiro a março de 2012 para o Finame Agrícola, programa do BNDES para a aquisição de máquinas, equipamentos e implementos agrícolas. Em abril de 2012 os juros do PSI estavam em 7,7% ao ano.
 
As vendas internas no atacado das associadas à Anfavea totalizaram 7,356 mil unidades em abril, 32,3% mais que no mesmo mês de 2012 e 0,5% acima de março deste ano. No acumulado de 2013, a comercialização somou 26,286 mil unidades, 29,6% maior sobre janeiro a abril do ano passado. As vendas de colheitadeiras cresceram 57,9% nos primeiros quatro meses do ano ante igual intervalo de 2012, e a comercialização de tratores aumentou 27,7%.
 
A produção de máquinas agrícolas cresceu 10,1% de janeiro a abril, para 31,531 mil unidades. As exportações totalizaram 1,557 mil unidades no mês passado, aumento de 7,8% sobre abril de 2012 e de 35,4% ante março. Mas, no acumulado do ano, os embarques recuaram 27,3%. A receita deste ano até abril caiu 2,8%, para US$ 1,101 bilhão.
 
CNH inaugura a maior fábrica argentina
 
A multinacional inaugurou nesta terça-feira (7) uma nova unidade de produção de tratores e colheitadeiras em seu complexo industrial em Ferreyra, na Província de Córdoba. Participaram da solenidade a presidente da Argentina, Cristina Fernandez de Kirchner, e o presidente da Fiat Industrial, Sergio Marchionne.
 
A fábrica, resultado de um investimento de mais de US$ 130 milhões realizado pela Fiat Industrial na Argentina desde 2011 - 60% do total financiado com recursos públicos do fundo "Créditos do Bicentenário" -, vai produzir máquinas agrícolas e motores para as marcas Case IH, New Holland e Fiat Powertrain.
 
O complexo, com 210 mil metros quadrados de área total, deverá gerar até 600 empregos diretos e 1,5 mil indiretos, além dos 800 postos já existentes nas redes de concessionárias da Case IH e New Holland na Argentina. A produção da nova unidade, que já está em operação, é estimada em até 2 mil colheitadeiras, 4 mil tratores e 50 mil motores por ano.
 
"A construção dessa fábrica é o sinal mais evidente da nossa confiança no papel relevante que consideramos que este país ocupa como produtor agrícola em escala mundial", diz Marchionne em comunicado. A produção na unidade também será exportada para outros países da América do Sul.
 
Por Carine Ferreira/ Valor Econômico



Comentários