Meritor e Suspensys inauguram parque de fornecedores da MAN

Empresas investem R$ 90 milhões em duas fábricas no complexo industrial de Resende, no Rio de Janeiro.

 

A Meritor e a Suspensys está agora 100% controlada pela Randon. As empresas concretizaram o convite da MAN Latin America para integrar seu parque de fornecedores em Resende (RJ) com a inauguração de duas fábricas para atender a montadora de caminhões e ônibus das marcas Volkswagen e MAN. Com investimento de R$ 90 milhões, dos quais R$ 40 milhões da Meritor, as duas plantas construídas em uma área total de 70 mil m² serão responsáveis pelo abastecimento da linha de montagem de veículos com eixos e cardans Meritor, que são montados a partir de componentes fornecidos pela Suspensys, como cubos, tambores, freios, suspensão e suportes.
 
Para o presidente da MAN Latin America, Roberto Cortes, as primeiras instalações no parque de fornecedores marcam a nova fase de expansão da montadora no País. 
 
“Este é um passo importante para o aumento da velocidade da nossa linha de montagem em Resende, que vai otimizar custos e processo com ganhos de volume de produção e escala, de uma forma mais completa do que é feito hoje. Os ganhos operacionais e logísticos vão compensar rapidamente os investimentos e o maior beneficiado será o cliente final”, afirmou Cortes durante a cerimônia de inauguração das duas fábricas nesta segunda-feira (6).
 
Por enquanto, as operações tanto da Meritor quanto da Suspensys serão apenas de montagem, informa o diretor da divisão de autopeças da Randon, Alexandre Gazzi: “Se fizer sentido no futuro, poderemos trazer manufatura, mas por enquanto em Resende, faremos só a montagem dos sistemas”. Na ocasião da inauguração, o presidente das Empresas Randon, David Randon, lembrou da parceria entre Randon e Meritor, que começou em 1996, com a joint venture Master, fabricante de freios, e em 2002, com mais uma joint venture, a Suspensys, que a Meritor acaba de vender sua metade para controle geral da Randon.
 
A princípio a Meritor fornecerá localmente eixos e cardans, e futuramente eixos dianteiros, revela o vice-presidente e diretor geral da empresa para a América do Sul, Silvio Barros. Segundo o executivo, a nova fábrica tem capacidade para atender a produção atual da MAN, que este ano deve entregar de 60 mil a 65 mil veículos, entre caminhões e ônibus, mas acrescenta que a unidade foi projetada para crescer no ritmo que a montadora ditar. “Nos próximos poucos anos, a MAN planeja alcançar as 100 mil unidades ao ano e a fábrica da Meritor tem capacidade para crescer até esse volume”, revela. 
 
Barros informa que com a nova fábrica no sul-fluminense a empresa conseguirá desafogar a linha de sua unidade fabril de Osasco, na região metropolitana de São Paulo. “A MAN deixará de consumir de Osasco algo entre 25% e 30% de sua produção, aumentando assim, na mesma proporção, a capacidade de atendimento aos demais clientes”, conta. A planta da Meritor de Resende está destinada ao abastecimento exclusivo da linha de montagem MAN/VWCO, e de acordo com o executivo não há possibilidade de estender sua atuação para o mercado. “Esta nossa segunda fábrica no Brasil nos dá uma nova dimensão de crescimento local e uma réplica do desenvolvimento que tivemos com a fábrica de Osasco. É uma grande oportunidade, mas acredito em outros investimentos além de Resende para atender a demanda do mercado, se for necessário.”
 
No caso da Suspensys, a empresa firmou um acordo comercial e técnico com a NHK-Rassini para a produção de feixes de molas que serão aplicadas nas suspensões traseiras de semirreboques e terceiro eixo que serão fabricadas no Rio de Janeiro. Esta operação, que inicia no segundo semestre com capacidade para até 30 mil toneladas por ano, marca o início da participação da Suspensys na produção das molas de suas suspensões.
 
“Com mais esta parceria, nosso objetivo é reduzir custo e trazer produtos mais leves e mais rápidos para o mercado. Neste caso, a produção atenderá não só a MAN Latin America, mas também todo o mercado”, disse Alexandre Gazzi, da divisão de autopeças da Randon, acrescentando que o mercado de reposição será uma consequência.
 
Eixo verde
 
Com os fornecedores na porta de casa, a MAN usufruirá mais facilmente das nova tecnologias desenvolvidas pelas empresas que a servem, como é o caso da Meritor, que a partir de setembro deste ano produzirá o que Silvio Barros batizou de “eixo verde”, cujo processo de montagem contará com solda a laser, que elimina o uso de parafusos. O produto já é utilizado por concorrentes da MAN, como Volvo e Ford, que aplicará em seu novo caminhão extrapesado.
 
“É verde porque com a eliminação dos parafusos a partir da solda a laser, conseguimos produzir um semieixo com peso relevantemente menor do que os eixos tradicionais, o que ajuda na redução do peso do veículo, e, consequentemente de seu consumo. Está comprovado que esta tecnologia traz uma economia de combustível entre 1% e 2%, ou seja, a cada 100 caminhões, você economiza um caminhão em combustível”, argumenta.
 
A MAN realiza os testes finais do novo eixo verde, que será produzido em Osasco (SP). A montadora deve colocá-lo em linha até outubro deste ano.
 
Por Sueli Reis/ Automotive Business



Comentários