Iveco pode ampliar linha de blindados

A companhia, que já está fabricando o blindado Guarani em Sete Lagoas, avalia a viabilidade da inclusão de mais dois modelos na linha de produção brasileira.

 

A Iveco Latin America, subsidiária do grupo Fiat, poderá ampliar a produção de veículos de defesa no Brasil. A companhia, que já está fabricando o blindado Guarani em Sete Lagoas (região Central), avalia a viabilidade da inclusão de mais dois modelos na linha de produção brasileira, segundo o diretor-geral da divisão de Veículos de Defesa da montadora, Paolo Del Noce.
 
As unidades que poderão ser produzidas em Sete Lagoas são a versão militarizada do off-road Trakker e o LMV, veículo leve de tração integral. Os modelos foram apresentados no país na semana passada, durante uma feira do setor realizada no Rio de Janeiro.
 
Segundo Del Noce, o Brasil, além de outros países latino americanos, já demonstrou interesse na aquisição destes modelos. De acordo com ele, algumas conversas aconteceram antes mesmo da apresentação dos veículos no país.
 
Diante do interesse, a empresa irá analisar a viabilidade econômica do projeto de fabricar os modelos militares. Porém, o diretor-geral não informou quanto seria necessário investir para iniciar a produção na cidade mineira.
 
No município da região Central, a Iveco está produzindo o lote experimental do blindado Guarani, que será utilizado pelo Exército Brasileiro. Serão 86 unidades produzidas até meados de 2014. De acordo com Del Noce, foram investidos R$ 55 milhões na linha de produção e a planta tem capacidade instalada de 115 unidades anuais.
 
Além do Brasil, o blindado, em breve, poderá ser exportado. A Argentina está próxima de fechar o pedido de 14 unidades. Conforme o diretor da Iveco, a aquisição somente será feita após o Exército Brasileiro adotar oficialmente o Guarani como veículo militar, o que deverá ocorrer ainda neste ano.
 
Outros países também demonstraram interesse no blindado produzido em Minas Gerais. Entre eles está o Chile e a Colômbia, além de Angola. Atualmente, o país africano utiliza o Cascavel, que era produzido pela extinta empresa brasileira Engesa.
 
Ainda conforme Del Noce, já foram produzidas neste ano oito unidades do Guarani na fábrica em Sete Lagoas. Até o final de 2013 a produção deverá ficar entre 40 e 45 veículos.
 
Licitação
 
A Iveco venceu a licitação realizada pelo Governo Federal em 2007 para fornecer, até 2030, os blindados ao Exército Brasileiro. Eles são da família de Veículos Blindados para o Transporte de Pessoal Médio sobre Rodas (VBTP-MR) e irão substituir os antigos modelos Urutu, atualmente em uso pelas Forças Armadas brasileiras.
 
O LMV, que significa em tradução livre veículo leve multifuncional, é produzido na sede da Iveco Defence Vehicles, em Bolzano, no Norte da Itália. O utilitário tem grande aceitação na Europa. Além das forças armadas italianas, a Iveco tem fornecido o LMV à Grã-Bretanha, Bélgica e Croácia, entre outros países europeus.
 
A Iveco trouxe também para o Brasil o caminhão Trakker, adaptado para o uso militar. A versão apresentada no evento realizado na semana passada conta com câmbio automático e motor cursor 13, com potência máxima de 380 cv. O Trakker de defesa possui também uma versão com cabine de aço balístico que substitui a convencional, fornecendo, conforme a fabricante, proteção máxima ao condutor.
 
Por Rafael Tomaz/Diário do Comércio



Comentários